24 de julho de 2018

Os Red Hot Chili Peppers: Deuses do Sexo e do Funk - Outubro 1991


"Este não é um estúdio comercial", diz John Frusciante enquanto sobe uma escada barulhenta. Certo - como se alguém pudesse confundir a mansão de estilo espanhol, em ruínas, com uma instalação de gravação convencional.

"Alugamos o lugar por alguns meses e nos mudamos com nosso próprio equipamento. Custou o mesmo que se tivéssemos ido para um estúdio comum. "

"A casa é assombrada", acrescenta o guitarrista. Ele aponta para um canto da parede iluminado por velas no chão do segundo andar. "Eu estava dormindo aqui cerca de uma semana depois que nos mudamos, e ouvi o som de uma mulher fazendo sexo, mas definitivamente não havia mulher na casa. E outras pessoas que trabalharam no projeto também viram coisas."

A bela mas decadente mansão no Laurel Canyon de Hollywood tem sido a casa do Red Hot Chili Peppers nos últimos dois meses. "Dormimos aqui, comemos aqui, e todos os dias quando acabamos de acordar já começamos a gravar", diz John. "É uma chance que muitos artistas não conseguem ter - não ter que pensar em contas, atender telefones, ou apertar mãos de quem nós não sentimos vontade de apertar."

Frusciante conduz o caminho através de uma enorme sala de estar, parando para tocar um único acorde em um piano que provavelmente não foi afinado desde que eles chegaram aqui. As notas soam ecoadas pelas paredes e piso de madeira, ele descreve o procedimento de gravação da banda:

"Nós todos tocamos juntos um de frente para o outro lá embaixo na sala de estar. A mesa de gravação está no quarto ao lado, e todos os nossos amplificadores de microfone no porão."

John indica um deck de cimento em um gramado atrás da casa. "É onde gravamos nossa interpretação de They're Red Hot, de Robert Johnson. Nós colocamos os cabos lá em cima, e Chad tocava bateria com as mãos”. Eu acho que nossa versão é quase tão estranha para os padrões atuais quanto a versão de Johnson foi para o seu.

A excursão conclui no quarto de Frusciante, vazio, exceto um colchão, um radio e CDs, algumas pinturas de John e rabiscos na parede, cortesia da filha do baixista Flea "Eu gravei os violões bem aqui, e Anthony faz todos os seus vocais de seu quarto. Em vez de olhar através de uma janela para três sujeitos suados franzindo a testa na sala de controle, estamos olhando para árvores e flores"

A julgar pela variedade de mixagens que eu ouvi - simples, bem focado e um produtor “no sense” fazendo maravilhas para a música dos Chili Peppers. O quinto álbum da banda (titulado como “Blood Sugar Sex Magik”) é um passo gigantesco para o grupo, um disco paradoxalmente mais sofisticado do que qualquer um dos trabalhos anteriores dos Peppers.

A abordagem sem rodeios do produtor Rick Rubin não faz concessões às estratégias de produção de rock prevalecentes. Ele captura todo o sangue e o suor de verdadeiros músicos tocando o inferno com seus instrumentos. Os verdadeiros tons instrumentais não são alimentados com esteróides digitais, e cada música explode nos alto-falantes com uma ferocidade nua que vem da alma.

Mas, apesar de toda a sua viciosidade auditiva, o novo material apresenta um novo nível de sensibilidade ao conjunto. As musicas hiperativas foram reduzidas, revelando uma interação e dinâmicas notáveis.

Flea, de 28 anos, abandonou sua marca registrada, o slap pesado para algo mais calmo, linhas discretas, enquanto John revela um ego maduro, estilo que desmente seus 21 anos.

Pela primeira vez os Peppers alcançaram as alturas do funky atingidas por seus ídolos de longa data, bandas de groove como P-Funk, The Meters e Sly & The Family Stone.

Mas os Chilis não sacrificaram seu humor e intensidade. Os Peppers podem agora ser os principais praticantes dessa espécie quase extinta, música corporal que se move como um batimento cardíaco humano. "Nada foi gravado a um clique", insiste Flea, e mostra: as flutuações orgânicas do tempo do grupo e a interação polirrítmica quase telepática que evocam as grandes tradições groove dos anos 60 e 70, mas com uma implacável vantagem dos anos 90. Aqueles que já julgaram os Chili Peppers como palhaços abrasivos e sem qualidade musical terão uma grande surpresa.

A atitude multicultural de Rick Rubin


Poucos produtores tiveram seus dedos envolvidos em grandes trabalhos como Rick Rubin. Além de fazer hits para uma matriz improvável de artistas, ele começou sua própria gravadora, Def America. O rótulo perdeu na guerra de lances em relação à partida dos Chili Peppers da EMI, mas ele permaneceu sendo a primeira escolha da banda para produtor.
"Rick é um cara muito inteligente", diz Flea.

"Ele é muito claro e tem uma visão boa, de mente aberta da música pop. Nossa música é muito multicultural, e ele tem muitas influências culturais. Afinal, ele produziu Run D.M.C., L.L. Cool J, Slayer, Beastie Boys, e os Bangles. ele parece ter uma compreensão natural do que as crianças gostam.
 Rubin deu uma pausa na mixagem dos Chili Peppers para discutir sua filosofia de produção iconoclasta. Seus álbunstrona mixagem dos  o  muitas vezes parecem atos de rebelião contra estilos de produção de grande orçamento atual.
“Eu não escuto rádio ou a maioria dos discos que saem hoje - eu simplesmente não gosto do jeito que eles soam. Eu prefiro ouvir os Beatles, The Doors, ou Led Zeppelin”

O que há de errado com os novos discos?
A tecnologia tomou conta das gravações modernas, enquanto as gravações antigas eram mais sobre os artistas e suas grandes performances. Eu vejo o meu papel como tendo mais a ver com a preparação de arranjos e obter os melhores desempenhos de meus artistas do que como um grande engenheiro.
Muitos dos meus antigos discos favoritos, como os de Jan & Dean e os Beach Boys, têm pessoas cantando fora de sintonia ou tossindo, mas eles soam ótimos! O lado técnico é a coisa menos importante para mim.

Sua atitude difere de Bob Rock [perfil do mês passado]. Ele e o Metallica passaram meses 
fazendo sons.
Somos produtores muito opostos. Eu não passo muito tempo criando sons porque os microfones na frente de amplificadores soam praticamente do mesmo jeito em qualquer lugar.  O som realmente vem dos dedos do musico. Eu só quero ouvir o meu artista tocar o seu instrumento, mesmo que não soe tecnicamente perfeito.

Qual foi o seu papel na pré-produção?
Eu comecei a trabalhar com os Chili Peppers sete meses antes de irmos para o estúdio. Eu estava envolvido nas composições e arranjos. Muito do que eu faço é estrutural, tendo a ver com reviravoltas, entrada e saída de refrões, prencher os espaços - o que for preciso para fazer uma música soar como se não fosse apenas partes mixadas juntas.

Você não é fã de reverb.
 Nós mixamos  15 músicas dos Chili Peppers até agora, e eu acho que nós não usamos qualquer reverb ainda. É incrível como este álbum é seco e pessoal. O que você ouve é o que você obtém - não há muita artimanha. Muitas pessoas querem o maior som, com paredes de guitarra e uma bateria enorme. Mas eu não acho que essas coisas importam.

Por que não?
 Porque os "sons mais recentes" têm uma tendência a soar velho quando um novo aparece. Mas um piano de cauda soou incrível nos últimos 50 anos e continuará soando incrível nos próximos 50 anos.  Highway To Hell do AC/DC saiu há 12 anos, mas poderia ter sido gravada ontem. Isto também serve para todo o material de Zeppelin.  Eu tento fazer discos que têm essa qualidade atemporal. E como o tempo passa, eu acho que eu gosto do som orgânico de todos tocando juntos na mesma sala, um de frente para o outro. Se você não se preocupa com a perfeição de partes individuais ou com a perfeição do som, você obtém o melhor desempenho.

Sendo pequeno


John: Estou tão empolgado! Este é o álbum mais rápido que já fizemos. Nós compactamos o básico da forma certa, 25 músicas. Estávamos apertados como em um inferno – Nós entramos totalmente dentro da cabeça um do outro e nos tornamos um único ser. Nossa música é muito mais colorida do que no passado, e eu estou muito feliz com isso. Nunca levei nada tão a sério na minha vida.

Flea: John está tocando muito mais livre e pensando menos. Eu amava o jeito que John tocava em Mother's Milk, mas agora ele é muito puro e espontâneo. Ele nunca pensa em fazer algo de novo e de novo – ele talvez apenas gravará um overdub. Ele gosta de capturar o sentimento natural na fita.

 John: Quase todos os solos foram feitos no primeiro take e alguns deles foram cortados juntamente com o básico, como "My Lovely Man" e o primeiro solo em "Funky Monks". Em "Funky Monks" eu toquei tudo sem palheta, até mesmo o solo. Tenho tocado desse jeito cada vez mais - de fato, eu não usei palheta por semanas.

O solo de "Funky Monks" é ritmicamente livre.

 John: Sim, eu estava pensando em "Rubber Band". Eu tenho usado mais aquele tipo de ritmo, porque eles soam mais natural e não apenas algo reto. A segunda parte do solo é uma das poucas partes rápidas do álbum. Eu penso nisso como uma paródia de um solo de rock. A introdução tem guitarras elétricas desligadas, apenas microfonadas acusticamente. É a mesma coisa que Dave Navarro do Jane's Addiction faz em "Been Caught Stealing", embora Snakefinger  tenha feito isso primeiro. A maneira de Flea tocar é muito mais sutil. Há mais groove, e menos velocidade.

Flea: Eu conscientemente tenho evitado. Eu tentei ser pequeno o suficiente para entrar na canção, ao invés de sair e dizer: "Ei, eu sou Flea, o puta baixista." Eu posso tocar coisas rápidas que fazem os baixistas dizer "Wow!", Mas É melhor implicar a sua técnica com algo simples.

John: Você pode conseguir muitos "wows" dessa forma. E depois que você ouviu um milhão de baixistas copiarem o slap do Flea, qual é o ponto de continuar a fazer?

Flea: Eu quase não fiz slaps no novo disco, além de "Naked in the Rain". Estava lendo esta entrevista da Bass Player com Kim Gordon do Sonic Youth, que eu realmente respeito. Ela disse que ama o baixo no funk mas que detestava a maneira que os caras brancos tocavam, porque o transformaram nesta coisa de “machos idiotas”. Ao ler isso, eu sabia que era responsável por essa tendência. Mas no novo disco eu não faço nada disso - eu tento tocar de forma simples e bonita. E espero que ela não me odeie, porque eu acho ela ótima.

 Ter uma formação relativamente estável parece ter beneficiado a sua música.

Flea: Entre nosso primeiro disco [The Red Hot Chili Peppers] e nosso segundo [Freaky Styley], nosso guitarrista e baterista saíram. Entre o terceiro álbum [The Uplift Mofo Party Plan] e o quarto [Mother's Milk], Hillel Slovak, nosso guitarrista e querido amigo, morreu [de uma overdose de drogas].  Esta foi a primeira vez que fizemos dois álbuns com a mesma banda.

John: Não - Mother's Milk foi Anthony Kiedis, John Frusciante, Chad Smith e Flea; Este álbum é o Red Hot Chili Peppers. É uma entidade feita por nós quatro que pula para fora de nossos corpos em um inchamento cósmico. Todos nós crescemos por amor e admiração uns pelos outros.


O  slap acabou

Flea não é o único baixista que está fazendo menos slaps. Muitos músicos de groove parecem estar redescobrindo os sons dos anos 70.

Flea: Essa sensação de ter apenas a base sem ouvir as notas definitivas saiu do que os caras do hip-hop estavam fazendo com sua bateria Roland 808. Eu costumava ser totalmente anti-drum machine, porque eu sentia que qualquer coisa computadorizada estava destruindo a música e ficando longe da pura emoção humana. Mas agora estou espantado com a criatividade artística de alguém como [o produtor de hip-hop] Hank Shocklee, que faz essas incríveis colagens que soam tão bem e têm tanto valor emocional. Eu aprendi que tudo vem do artista, e não nas ferramentas que são usadas.
Algumas pessoas são tão orgulhosas do fato de que podem tocar uma guitarra barulhenta, eles acham que é terrível alguém usar uma máquina. Essa é uma atitude realmente estúpida, especialmente porque a maioria das bandas de rock - como Wingers e Poison- estão tocando uma música cínica, corporativa e de fórmula. O hard rock americano é agora uma das formas mais secas de se fazer música. Existem algumas grandes bandas de hard rock, como Jane's Addiction, fora isso 90% da música pop é uma merda. Os medíocres são constantemente recompensados ​​por seguir tendências; Os artistas seguem sua arte e não pensam em tendências.

Alguns podem chamar o estilo punk-funk que você popularizou uma tendência.

Flea:  Às vezes eu ouço música que eu influenciei e acho que estou os levando para um ótimo lugar. Outras vezes eu acho que as pessoas só vêem os aspectos superficiais de nossa banda. Eu influenciei muitos baixistas de rock branco com meu estilo. Depois de nosso último álbum, todos esses caras de cabelos compridos do metal começaram a vir para nossos shows e rapidamente se transformaram em  fãs de slap.

John: Axl Rose nos disse que o Guns 'N Roses tinham os Chili Peppers em mente quando eles fizeram  Rocket Queen.

Flea: Get the Funk Out  do Extreme é uma enorme copia dos Chili Peppers.  Mas é tão liso e brilhante - não há sujeira nele. Parece uma criação de estúdio. É a merda mais sem funky que eu  já ouvi.


A iluminação vinda de harpo

John: Eu criei um personagem para este álbum da mesma maneira que um ator se prepara para fazer parte de algo. Eu não consigo fazer nada que não envolva vibrações positivas para o espírito criativo da banda. Isso se aplica a pessoas, e coisas como relógios, latas de lixo e luzes feias. Se eu soubesse que haveria um cartaz de Arsenio Hall na rua, eu me afastaria dele para não ter que ver. Tentei arduamente me expor ao humor e à criatividade de todos os tipos: cinema, pinturas, música.

Que música inspira você?

 John: Meus guitarristas favoritos: Eddie Hazel de P-Funk, Robert Johnson, James Williamson dos Stooges, Snakefinger, D Boon dos Minutemen, Lightin 'Hopkins, Leadbelly, Tom Verlaine, Danny Whitten de Crazy Horse, e Zander Schloss e Dix Denney do Thelonious Monster.
 Mas a inspiração mais importante é sem dúvida Zoot Horn Rollo tocando no album Trout Mask Replica do Captain Beefheart. Se isso for à primeira coisa que eu escuto de manhã, eu garanto um dia de criatividade desenfreada.

O que esses artistas têm em comum?

John: Eles não estavam pensando em sair como caras legais - eles só tocavam cada nota fazendo com que elas signifiquem algo. Muitas pessoas apenas não entendem o quanto isso significa, tocar essa merda com a sua guitarra, para colocar cada última gota de energia e espírito dentro disso. Você deve usá-la como um pincel, não como uma máquina. Você  tem que se expressar.

Flea: A atitude de John é realmente pura, como um lembrete para mim de por que eu comecei a fazer isso em primeiro lugar. Ele entende o quadro geral muito bem, em termos de ser capaz de amar John Coltrane e punk rock de dois acordes com fervor igual. A filosofia musical da banda parece em grande parte baseada em perceber essas conexões.

Flea: Existem apenas duas categorias na música: alma total E sem alma. Tudo o que tem emoção e espírito humano e é tocado com sinceridade e com o coração está realmente acontecendo. Podemos ver a beleza em Eric Dolphy, Ramones, e tudo mais. Nós amamos qualquer coisa que tem um groove que faz você querer viver. Se você tem uma mente aberta, você pode ver a beleza em todos os tipos de música.

John: Não apenas música. Robert De Niro e Harpo Marx me influenciaram tanto quanto qualquer guitarrista. Pense em como De Niro só diz coisas que precisam ser ditas. Ele deixa de lado as linhas desnecessárias e obtém sua mensagem através de pequenos movimentos faciais. A lição para um guitarrista é que você não tem que tocar um milhão de notas, todas muito altas. E Harpo, a pessoa mais engraçada que já viveu, disse tudo com expressões e ruídos faciais. Cada único gesto realmente significava algo, e Tudo isso se traduz musicalmente.

Flea: A melhor coisa que fiz para me preparar para o disco foi perder minha lista telefônica e quebrar meu pé, ambos aconteceram quando nos mudamos para a casa. Isso ajudou a me concentrar - eu não tive contato com ninguém por um par de meses.

John: Nada disso tem a ver com acidentes.

Flea: Bem, eu estaria muito melhor se não tivesse quebrado meu pé.


Maquinas do sexo

John: Eu gosto de manter as coisas simples . Esses amplificadores MESA/Boogie eram muito difíceis de entender. Para a maioria dos conceitos básicos, eu usei dois Marshalls: um cabeçote de guitarra para a mesa de gravação e outro cabeçote de baixo para as partes mais fortes e fim. Eu dividi o sinal com um pedal DOD stereo chorus. Para alguns overdubs eu usei um amplificador Fender H.O.T., mas para um monte de partes, mesmo solos, eu toquei direto na mesa. Você pode obter tons incríveis, funky dessa maneira. Na verdade, muito da minha distorção e overdrive vem da mesa de gravação. Minha  guitarra principal foi uma Strat 1958, embora eu usei uma Les Paul em um par de coisas. Eu também tenho uma Strat 57, que alguém tinha ferrado por colocar trastes grandes e estúpidos que todos usam hoje em dia. Eu vomitei e disse a eles para torná-la uma fretless. Isso é o que eu usei para o solo de “Mellowship Slinky".

 Algumas pessoas pensam que esses grandes trastes ajudam o seu vibrato, mas eu faço questão de usar o menor vibrato possível, embora eu possa fazer mais se eu tivesse cabelos longos e bonitos. Eu não usei nenhuma alavanca. Isso em "Blood Sugar Sex Magik" é um Coral Electric Sitar, também usei uma velha Gibson para o solo no início de "The Righteous and The Wicked". Meu violão é um Martin novo com cordas de aço. Mas a minha guitarra favorita no mundo é a minha velha e fodida Fender Jaguar. As cordas são todas duras, e as notas desafinam quando você faz um bend. Eu a usei para escrever a maior parte das músicas, e fiquei realmente ligado a ela. Meus efeitos só foram um Big Muff [Electro-Harmonix] e um Ibanez wah [WH-10]. Eu gosto do Ibanez porque você pode fazer ajustes sem desmontá-lo, e tem uma configuração de graves que soa mais como um filtro de envelope do que um wah. Eu usei isso em "Naked in the Rain".

Flea: Eu comecei a usar os baixos Music Man porque eles são bons e baratos. Quando eu pude comprar outro, comprei um Spector, mas ele parecia pequeno. Então Voltei para o Music Man porque eles são tão simples e puros, mas eu tive problemas para manter o braço reto - tive que constantemente ajustá-los em turnê. Para este disco eu queria algo realmente bom para o estúdio com uma variedade de sons, então eu tenho um WAL, que eu usei para a maioria das canções de 4 cordas, embora eu usei o Music Man para 5 cordas e fretless. Eu ainda acho que os baixos do Music Man parecem mais legais. Todos os amplificadores que eu já tive quebraram. Para este álbum usei um cabeçote Galien-Krueger com gabinetes MESA/Boogie. Eu não tenho nada de especial com eles- são apenas a merda que eu tenho para tocar agora. Não há efeitos exceto um velho Mu-Tron em "Sir Psycho Sexy" e algum filtro de envelope em algumas coisas. Eu usei uma combinação de microfone e direto para a maior parte do álbum, embora, eu usei direto apenas em algumas coisas.


Um lacinho extra grande, por favor

Flea: Lembre-se, fizemos o nosso primeiro show como uma brincadeira. Mas na segunda vez que tocamos, havia linhas de pessoas ao redor do palco. Temos assinado muito rápido. Tínhamos trabalhado tanto em nossos projetos anteriores - eu estava tocando com Fear,  Hillel e Jack Sherman, nossos primeiros guitarristas, estavam realmente interessados ​​em sua banda, What Is This? Mas todas essas grandes marcas imediatamente queriam assinar com nossa banda de brincadeira. Nunca tivemos um relacionamento feliz com a EMI, que lançou todos os nossos discos anteriores. Assim que pudéssemos sair, nós faríamos isso. Todos nos queríamos. Temos um grande negócio com Warner Brothers- todos nós compramos casas e outras merdas.

Acho que vender música é lindo. Claro, a arte é uma coisa totalmente espiritual que você regurgita apenas para viver, pensar e respirar. Mas este é um mundo de negócios. Fazemos discos e vídeos para promover nossos produtos para que possamos dirigir um ônibus de turnê, ganhar dinheiro e, em seguida, voltar para casa e nadar em nossas piscinas. Os Red Hot Chili Peppers são tão populares entre as crianças - eles compram nossas camisetas, botons, cartazes, bonés, e se vendemos pequenos lacinhos para pendurar em suas roupas íntimas, eles também os comprariam. E eu adoro isso - é muito melhor do que se não estivéssemos ganhando dinheiro. Eu nunca sonhei que eu teria minha própria mesa de ping-pong!

Alguns podem temer sua influência sobre jovens mentes.

Flea: Há uma onda de moralidade de direita varrendo o país. As pessoas disseram que éramos sexistas por cantar "Party on Your Pussy", ou por Anthony ser flagrado fazendo gestos sexuais. Mas se o sexo é importante para alguém, devemos cantar sobre isso. Não vejo nada de errado em idolatrar a genitália feminina. Mas só porque nós gostamos não significa que somos homofóbicos - seria terrível se as pessoas pensassem isso.

Mas as pessoas que não são nem de direita e nem sexualmente tensas podem dizer que você promove atitudes idiotas.

Flea: como se eu estivesse contaminando um vestiário, "Foda-se, baby"  oque? Eu diria que eles devem tentar abrir suas mentes para tudo o que estamos dizendo, ao invés de se concentrar nesse aspecto. Nós Mergulhamos no amor espiritual do sexo feminino, bem como o amor sexual lascivo.

Música é o meu monstro

John: Alguns guitarristas têm a ideia de que existem pré-requisitos técnicos para ser um grande musico. Mas tudo que é preciso é a capacidade de fazer sua própria música e ter concentração total. Veja Lou Reed  tocando com o Velvet Underground - para mim isto é vinte vezes melhor do que a maioria dos caras que praticam vinte horas por dia. Contanto que você esteja animado com o que você está tocando, e desde que isso venha de seu coração, vai ser incrível.

Flea: Acho que a chave é a vontade de fazer os sacrifícios para colocar a música à frente de tudo. Quando um músico faz música sobre sua vida, o som dessa vida aparece nos discos, seja Miles Davis ou o punk rock mais simples. É importante para cada músico permanecer humilde em face da música; Para lembrar que você é nada mais do que uma partícula insignificante, mas que a música é uma coisa universal enorme e monstruosa. Todos nós temos apenas a sorte de ser parte dela, de nos alimentarmos dela e alimentá-la.

Disse bem.

Flea: Obrigado. Eu tenho sorte.

Na próxima semana os Chili Peppers  darão adeus a mansão funky com uma enorme explosão. Alguns dias depois nos encontramos na casa do Flea para ouvir as mixagens finais de Rick Rubin. (Não há nenhum número na casa - deve ser o lugar onde a Mercedes com adesivos do Black Flag e Bob Marley está estacionado.)
No quarto de Flea as janelas estão abertas é um dia maravilhoso, e a música explode triunfante mega-decibel no estéreo. Flea está esticado na cama, John descansa encostado na parede. Eles estão felizes - as mixagens são espetaculares. "Isso é realmente, muito bom", ronrona Flea. "Parece incrível", John balança a cabeça e diz. "Eu estou feliz pra caralho"


Tradução: Ygor Almeida
Fonte: Guitar Player Magazine - Outubro 1991

Nenhum comentário:

Postar um comentário