27 de julho de 2018

Nutridos por leite materno - Novembro de 1989


"Eu realmente gosto da nossa música 'Magic Johnson'", diz Flea, o loiro branquelo dos Red Hot Chili Peppers. Ele está sentado em um escritório da EMI Records, refletindo sobre as músicas do quarto e mais recente lançamento de sua banda, Mother's Milk.

"Principalmente porque é muito bom ter uma música sobre Magic Johnson e tudo o que ele representa. É uma influência para mim. Ele é incrível - quando ele está contra uma parede, ele pode fazer uma jogada louca e colocar tudo no topo novamente. É disso que se trata - poder passar esse tipo de coisa".

Flea, está vestindo jeans, uma série artística de tatuagens e uma boné de beisebol dos Lakers, poderíamos facilmente comparar os Red Hot Chili Peppers com Johnson. Depois de um ano que poderia ter levado os membros de uma banda menor a procurar empregos remunerados no Taco Bell, os Chili Peppers conseguiram se reagrupar e voltar mais forte do que nunca.

Foi apenas um pouco mais de um ano que um “Pepper” fundador , o guitarrista Hillel Slovak, morreu de uma overdose de drogas aos 25 anos. Embora Slovak estivesse dentro e fora da banda, sua posição nos Peppers era muito mais do que isso - de um mero guitarrista. Sua morte sacudiu a cabeça dos Chilis - Flea e seu parceiro Anthony Kiedis – até o centro. (Mother’s Milk é dedicado á Slovak, sua arte decora a parte interna do álbum).

"[Sua morte é] a coisa mais horrível que já aconteceu comigo", diz Flea, é a dor misturada com a raiva. "Eu estava extremamente perto dele. Ele é quem me ensinou a tocar o baixo. Ele me pediu para começar a tocar o baixo. Eu tinha passado por um milhão de coisas diferentes com ele. O mais triste é que eu ainda sinto falta dele. Eu sinto muito a falta dele e desejo... Quando ele morreu, minha esposa ainda não tinha nossa filha. Eu realmente queria que ele pudesse ter visto ela. Eu queria que ele pudesse ver todas as coisas que eu estou fazendo. Acho que Ele ficaria orgulhoso de mim pelo que estou fazendo".

"Quando Hillel morreu", acrescenta Anthony cautelosamente, "a maior perda foi a perda de um amigo, e não a perda de um guitarrista. Embora eu considere Hillel como um dos maiores guitarristas do mundo. Ele era um estilista único e original . Mas sua morte foi mais como perder uma parte do meu coração. Sempre vou sentir mais falta dele como amigo do que como guitarrista. Só há um amigo, mas há muitos guitarristas diferentes".

De fato. Após o luto de Hillel, Anthony e Flea decidiram que precisavam procurar por novos músicos e continuar com isso. Mas não foi tão fácil. Os Chili Peppers, antes de qualquer coisa, não são exatamente uma banda Top 40, qualquer um consegue tocar os acordes da banda. A atitude é crucial.

Diz Anthony: "Quando Hillel morreu, Flea e eu tínhamos a intenção de continuar o Red Hot Chili Peppers. Isso simbolizava nossas vidas, e pensamos que seria melhor continuar vivendo e não morar na morte. Nós buscamos encontrar novas caras. Isso não foi fácil, porque os Red Hot Chili Peppers são baseados em uma boa amizade e uma compreensão profunda uns dos outros. O que originalmente nos propusemos fazer era sermos os autores absolutos do hardcore sexual, esmagadores de ossos e do caos no céu . Para tentar descrever isso para outro músico e fazer com que isso signifique algo é quase impossível, a menos que você tenha crescido com essa pessoa".

Com o novo guitarrista dos Chili Peppers, John Frusciante, Flea e Kiedis chegaram muito perto.  Um californiano nascido e criado, ele também era um fã dos Chill Peppers há muito tempo. "John Frusciante cresceu nos ouvindo. Tentamos alguns músicos diferentes antes de termos John", lembra Flea. "E eles eram realmente grandes músicos. Todos eram guitarristas incríveis, mas não funcionava com eles. Eles podiam tocar, mas uma banda é como um casamento, a parte do casamento não funcionou. É como uma garota linda, é uma grande merda e você gosta dela, mas você simplesmente não pode viver com ela. Foi um pouco assim. Então nós conseguimos John. Ele é oito anos mais novo do que nós, mas ele é incrivelmente maduro musicalmente. Uma idade incrivelmente precoce, ele estava ouvindo a nossa música. Ele sabe muito mais sobre música do que eu, até além disso. Ele tem uma mente muito aberta e uma grande variedade de gostos, E é extremamente talentoso.Ele fez o inferno com sua guitarra".

Também é novo na banda o baterista Chad Smith. Embora os Peppers tivessem uma porta rotativa de bateristas durante seus cinco anos de história, parece que Smith pode manter as baquetas por um tempo.

"Nós fizemos uma audição com algo entre 30 bateristas para o trabalho", Flea puxa na memória. "Então encontramos Chad Smith. Ele é um baterista muito intenso. Mas quando o encontramos, ele não parecia que poderia estar no Red Hot Chili Peppers. Ele tem este, esse cabelo, ele usa bandanas e essas camisetas rasgadas do Metallica. Parece que ele poderia estar em uma banda de heavy metal tocando no Troubadour. Mas ele é um grande baterista e tem um grande instinto. Ele bate na bateria muito forte!"

Com a metade da banda nova, os Chili Peppers poderiam facilmente soar completamente diferentes, se Flea e Anthony tivessem escolhido ir nesta direção. Mas em vez disso decidiram continuar com o Red Hot Chili Peppers, eles se tornaram responsáveis por manter o som o mais próximo possível do espírito original, apesar das novas influências que os novos membros da banda trouxeram.

Obviamente ajudou Frusciante (co-compositor de "Mother’s Milk") ele praticamente aprendeu a tocar guitarra ao ouvir os Chili Peppers, e ele soa um pouco como Slovak. Em vez de ser um problema, isso ajuda a reduzir o fosso entre os membros antigos e novos. No álbum e no palco se mostram uma banda coesa em uma nova era.

 "É diferente quando você tem diferentes músicos tocando", reflete  Flea.

 "O que estamos tentando fazer agora é manter a intensidade rítmica e as diferentes coisas que desenvolvemos ao longo dos anos. Estamos tentando assumir isso e conectá-lo a melhores veículos da música".  

A intensidade é provavelmente a melhor definição da palavra Red Hot Chili Peppers. Ao vivo, a banda chega perto da anarquia total quanto possível dentro dos limites da legalidade. O show dos Peppers é metade música, metade desempenho artístico e seu publico é leal e atravessam todas as barreiras de idades. 

Em uma recente festa privada para os Chili Peppers, pelo menos três mulheres tentaram ganhar entradas  alegando ser a mãe do Flea. Qualquer uma das três poderia ser; Mas nenhum era.
É uma posição estranha. Os Red Hot Chili Peppers têm uma audiência leal e fãs de hardcore um tanto enlouquecidos - uma plateia diferente de qualquer outra banda de rock. Por quê?

"É difícil dizer", Anthony encolhe os ombros. “Eu acho que é porque somos perpetuadores de um estilo de vida de Hollywood - nosso estilo de vida pessoal está nesta cidade. Mas acho que nossos fãs percebem que os Red Hot Chili Peppers estão oferecendo um ponto de vista completamente único, ideologicamente falando. E, musicalmente. Criamos Algo que realmente não está disponível em nenhum outro lugar. As pessoas que acham isso, e se relacionam, podem se unir a isso, e talvez tenham procurado por muito tempo encontrar algo diferente do que está disponível. Quando finalmente o acham, Eles querem manter isso".

No passado, porém, a emoção que os membros da banda geravam ao vivo funcionava contra eles em vinil. De qualquer forma, os álbuns nunca conseguiram capturar a emoção de um show ao vivo dos Chili Peppers. E sem os auxílios visuais, a banda foi afetada. Enquanto o Mother’s Milk é o mais próximo dessa sensação, também não está bem lá. Os Peppers sabem disso. 

"Não há como fazer com que os álbuns soem o mesmo que tocar ao vivo", reconhece Flea,
"No estúdio é uma coisa diferente. Você pode estar em um estúdio e fazer um back flip, e tudo o que vai acontecer é Parecer que você perdeu algumas notas no seu instrumento. Se você fizer o mesmo ao vivo, isso levará a multidão a um orgasmo louco". 

O Mothers  Milk consegue capturar a essência viva da banda, se não o caos. As músicas são mais variadas do que no passado, representando uma gama mais ampla de estilos, assuntos e ritmos.
A melodia que recebe a atenção inicial é "Knock Me Down". Embora tenha sido anunciado (pela EMI) como antidrogas, Flea implora em diferir."Essa música significa muito para mim", ele diz. 

"Eu acho que as letras são lindas. Elas são sobre Hillel, obviamente. Mas não é apenas sobre ele. Trata-se de amizade e de que ninguém está além disso. Nada é mais importante do que amizade e amor. Essa música significa muito para mim.  "Então, aparentemente, Higher Ground, um incrível cover da música de Stevie Wonder, escolhida por Flea, que ama Wonder e a música.

"Não só a música é boa" ele afirma."Mas as letras são ótimas. Especialmente no que diz respeito à situação em que a banda esteve presente, até o estado de espírito, nos últimos meses. Essa música é realmente sobre levantar e  se erguer espiritualmente. 

Não estou falando de religião ou algo assim. A música é sobre elevar-se disso e colocar sua própria cabeça em um espaço onde você pode fazer algo sobre isso. Sobre estar em estado de espírito onde você pode ser positivo o suficiente para conseguir algo positivo.

"Mas outra razão para fazer essa música, fora da espiritualidade aumentada, é que é uma homenagem a Stevie Wonder por ser um dos grandes heróis musicais do universo. Nunca. E quando você faz um cover e nós temos feito alguns ao longo dos anos, quando você toca isso repetidamente, você começa a aprender o que e como uma mente tão pesada como a de Stevie Wonder estava pensando. 

Você tenta entender o que levaria alguém a escrever uma música tão boa como essa. Você começa a entender a estrutura, e como ela também é montada. É sobre aprender.

"É também sobre algo que os Chili Peppers realmente não querem discutir: comercialidade. Ou a sua falta. Como os Chilis têm um som tão diverso, incorporando tudo, desde reggae até funk para metal, são difíceis de categorizar.

 Eles não se encaixam em nenhuma categoria legal - um problema no rádio americano. O rádio Top 40 não queria saber sobre o Red Hot Chili Peppers. "É muito frustrante", admite Flea. "Às vezes é como, 'Wow, não há lugar para nós?' Deve haver um lugar para nós, vendemos 2.000 lugares em todo o país. Mas isso é baseado nas rádios de faculdade e no boca-a-boca.

Eu acho que há músicas neste álbum - "Knock Me Down" e "Higher Ground" - que poderiam ser colocadas no rádio. “Se elas não forem colocadas no rádio, eu poderia ficar violento - exceto" ele ri com tristeza, “eu não saberia com quem ser violento- ou simplesmente continuar.”

 Se elas forem tocadas, ótimo, se não, ainda estou orgulhoso do que fizemos." 

Sucesso comercial de lado, Anthony e Flea estão perfeitamente à vontade para discutir questões graves que vão desde o meio ambiente até o holocausto nuclear, e várias de suas músicas tocam nestas questões."Nós cantamos sobre coisas ambientais, assuntos sérios", diz Flea.

"Nós fizemos benefícios para o Sea Shepherd. Quero dizer, estamos tendo um ótimo momento, mas você não pode se divertir muito se não puder respirar, porque o ar está muito poluído". 

Dito isto, os Chili Peppers ainda são e continuarão a ser uma banda de festas. A atitude que eles apresentam ao mundo é, na melhor das hipóteses, imatura, com ênfase no humor. Afinal, o grupo que fotografou para a capa do EP Abbey Road  não usava nada além de meias de ginástica estrategicamente posicionadas. A capa traseira de Mother’s Milk os coloca-no mais limpo dos Jockeys.

"Nós podemos ser muito sérios", insiste Flea, "mas os Red Hot Chili Peppers são sobre espontaneidade explosiva e ser o mais intenso possível sobre o que você está fazendo no momento. Quando vamos fazer um show, isso é tudo o que pensamos: fazer a porra do melhor show que podemos fazer e tocar o máximo que pudermos até cair morto depois."


Tradução: Ygor Almeida
Entrevista por: Sharon Leveten
Fonte: Bam Magazine - Novembro de 1989

Nenhum comentário:

Postar um comentário