21 de outubro de 2018

Mother's Milk: Flea sobre a entrada de John Frusciante e a gravação do álbum


Texto do Anthony Kiedis e Flea no encarte de Mother’s Milk (remasterizado), onde Flea fala da entrada do John Frusciante no Red Hot Chili Peppers e sua influência para a mudança no estilo de composição da banda.


Pequeno texto do Anthony sobre o Hillel:
"Hillel deixou esse planeta. Ele foi nosso querido amigo e família, uma imensa influência na direção de nossas vidas. Tivemos uma época maravilhosa juntos. Eu tenho recordações maravilhosas sobre ele na minha mente. Ele me mostrou o que o Rock era."

Texto do Flea: "Jack Irons saiu da banda um pouco depois da morte de Hillel. Jack sempre manteve nossa amizade e sempre vai ser assim, ele foi um parte muito importante do nascimento e crescimento de nossa banda e eu o amo de todo meu coração.

Após a morte de Hillel, nós contratamos Blackbyrd Mcknight para tocar guitarra. Mas a química era desagradável e não estava funcionando. Um dia meu querido amigo D.H. Peligro disse ‘vamos fazer uma jam’, eu conheço um garoto que detona na guitarra. Eu fui até a Dirty D’s Garage e conheci John Frusciante e começamos a improvisar. Foi divertido, eu acho que foi aí que escrevemos as linhas de baixo para ‘Nobody Weird Like Me’ aquele dia. Nós tocamos novamente um pouco depois da morte de Hillel, eu estava muito deprimido. Eu liguei para John um pouco depois e perguntei se ele gostaria de tocar comigo num gravador de 4 canais na minha casa. John veio e foi muito legal, eu pensei ‘É... Esse garoto conseguiu, eu acho que ele tem que ser nosso novo guitarrista’. E então eu liguei pro Anthony, que estava com sua família em Michigan e contei a ele sobre o que estava acontecendo. Ele voltou para LA pouco depois e viu John fazendo uma jam com o Thelonious Monster e me ligou todo animado e nós concordamos que ele estava dentro! Para o desapontamento do Thelonious Monster, nós fomos muito mais rápidos. Rob Graves disse ‘Isso não é legal, cara, ele toca muito bem, tem um visual legal... É foda’. John morava uma rua depois da minha, com seu amigo Bill. O pai de John era juiz e o de Bill era senador, e eles eram 2 loucos pirados. Assistindo John Water’s, ouvindo Frank Zappa, intelectuais do sexo.

Minha vida era ficar com minha mulher e filha e assistir aos Lakers jogar fumando maconha. Nós começamos a construir uma profunda conexão com aqueles instrumentos de corda, mas isso só começou a aflorar com o tempo. Eu o amo. Tudo que não fosse tocar guitarra e compor, era secundário para John. Eu nunca conheci alguém tão excitado pra tocar música TODO o tempo como ele, e ele continua assim. Ele sempre esteve focado em ser o melhor e mais profundo músico. Eu me lembro claramente de pensar sobre John, na primeira semana ou mais em que nós começamos a tocar juntos: ‘ele é alguém com quem eu quero tocar por muito, muito tempo...’. É engraçado pensar nessa época e ver o quanto nós mudamos mas continuamos os mesmos.

D.H. Peligro estava tocando conosco e nós fizemos uma pequena turnê junto como ele e John (a turnê turd down de ’88) mas não funcionou (outro caso de reações químicas) e então nós fizemos uma audição com uns 50 mil bateristas e contratamos Chad Smith depois de Denise Zoom dizer ‘Eu conheço um cara de Detroit que come baquetas no café-da-manhã!’. Chad se sentou na bateria e cuspiu fogo em nós, foi uma jam muito intensa. Nós estávamos um pouco descontentes quanto a sua bandana, jaqueta de couro estilo bandas de rock famosas e tentamos fazer com que ele cortasse seu cabelo, mas ele poderia tocar bateria em qualquer coisa.

Não esquecendo que, depois de tudo isso ter acontecido, Anthony, Peligro e eu formamos um trio com o qual fizemos alguns shows. Nós nos chamávamos ‘The Three Little Butt Hairs’. Foi uma época muito divertida. Nós começamos a ensaiar todos os dias no estúdio Hully Gully em Silverlake. Michael Beinhorn, que produziu o disco, veio muito aos ensaios. Este foi um período em que tocamos muito. Nós tocávamos arduamente e mais rápido do que qualquer outra época de nossa carreira, eu creio. Muitos estavam boquiabertos... Ouça ‘Salute To Kareem’.

Nós tocávamos constantemente, conhecemos melhor uns aos outros, e o disco saiu. Uma nova coisa significante que aconteceu naquela época, foi John e AK terem aparecido com a base para ‘Knock Me Down’. Isto foi muito importante e um novo desenvolvimento criativo que aqueles dois trouxeram, fez acender de uma simples e nova melodia que mudou a base do estilo de composição da banda, o qual não existia anteriormente, quando a maioria das músicas eram bases de grooves e foram iniciadas com linhas de baixo. Foi um imenso novo elemento para o som da nossa banda e uma grande abertura de uma coisa nova para nós. John realmente sabia tocar.

As coisas foram um pouco difíceis de se resolver com Beinhorn, eu não sei o que realmente aconteceu mas preciso dizer que nunca trabalharemos juntos novamente. Foi divertido quando todos os nossos amigos vieram ao estúdio e cantaram o refrão de ‘Higher Ground’. Tree veio e também tocou um pouco no disco. Eu me diverti muito nessa época. Me tornei pai de uma linda menina, eu estava extasiado. Os Lakers foram campeões."

Nenhum comentário:

Postar um comentário