1 de julho de 2019

A origem familiar de John Frusciante


Texto que expõe um pouco sobre a origem familiar de John Frusciante - publicado originalmente pelo Universo Frusciante - embaçado em  alguns relatos de Iva (proprietária do site Invisible Movement) após pesquisas sobre o tema.  


Iva: Como todos sabemos John nasceu em Nova York, para onde John (pai) e Gail (mãe) se mudaram em 1970. John nasceu em uma família grande e amorosa. A música sempre o cercou desde o início. Seu pai era um aluno da "Juilliard" (escola de música e artes cênicas) na época em que John nasceu, ele foi e é um pai muito carinhoso, que sempre o adorou. A música o cercava desde antes dele nascer.  Seu pai tocava piano em casa muitas horas por dia. Sua mãe cantava para ele canções, incluindo Lullaby (Johannes Brahms). Ele gostava do que era realizado ao seu redor, sendo ninado, sendo dançado, ele também gostava de desenhar e pintar, fazer coisas como igloos no gelo, por exemplo. Ele amava Sesame Street (Vila Sésamo no Brasil) e Mister Rogers.




Ele andou pela primeira vez em seu primeiro aniversário. Ele era muito carinhoso e amável desde o início. Ele era muito ativo e cheio de entusiasmo.

Ele também gostava Electric Company!  (programa de TV '1971')

Falou cedo, com 1 ano e meio, ele recitava esquetes que tinha ouvido no Sesame Street (Vila Sésamo).

John tinha olhos azuis e cabelo loiro. Que gradualmente ficaram marrom claro e foi ficando liso.  Em sua adolescência, se tornaram mais escuros e ondulados e seus olhos ficaram castanhos. Ele usava o cabelo comprido.

Os avós de John ao lado de sua mãe morreram em 1976 e 1985. O tema da ancestralidade, não se falou muito e ninguém está vivo, todos os grandes tios e tias já morreram, incluindo os avós do lado materno. Isto é tudo que eu sei. Então isso é tudo que eu posso oferecer a vocês que têm feito a pergunta aqui. Paz para todas as crianças que preciosas de todo o mundo. Paz, amor e felicidade ...

Há um monte de artigos que fazem menção à herança genética de John. Em 2004 em um especial da revista Mojo, foi mencionado que seu bisavô italiano (Napolitano) tocava violino e bandolim em restaurantes de Nova York. Também me lembro quando uma amiga de sua mãe estava postando no antigo RHCP BBS em 2004... ela nos contou algumas coisas boas:

Havia 5 pinturas italianas de anjos em cima de seu berço. Ele gostava de olhar para elas.


Iva: E uma pessoa chamada iwi K perguntou à ela:
Li em algum lugares que seus avós costumava cantar canções italianas para ele …

Iva: Então, à amiga de sua mãe (ou qualquer pessoa que era) respondeu:
Canções italianas, sim. Seu avô tocava violão e cantava para ele e para os outros netos. A música sempre esteve lá, uma expressão da vida e de amor. Seus avós se dedicavam a todos os seus netos.  Seu avô cantava e tocava e as crianças dançavam e cantavam muito ...



John e seus avós paternos entre 03 e 04 de junho, em West Palm Beach, Florida.
"Eu estava tão feliz que meus avós decidiram vir ao show. Meu avô não tinha me visto tocar violão desde
que costumávamos tocar músicas italianas quando eu tinha doze anos de idade. À minha esquerda
está meu pai, que me comprou minha primeira guitarra e meu primeiro pedal de wah-wah."
Fotográfia: Anton Corbijn.


O primo Italiano de John Frusciante
Giovanni Frusciante de Benevento, o parente (primo) Italiano de John.

"Meu bisavô paterno era italiano, e meus pais, muitas vezes me falaram com nostalgia sobre a Itália e Benevento. Ele era um imigrante que partiu daqui, com muitas esperanças em mente e uma mala cheia de cartões postais. Isto é tudo que eu sei sobre o meu legado com a Itália". Giovanni Frusciante de Benevento, que tem trabalhado em Ravello desde o ano passado, tomou medidas para corrigir está situação. Quando Giovanni apresentou-se ao seu primo mais famoso. Levou uma carteira de identidade para esclarecer a situação com John, que em seguida, literalmente o interrogou durante a noite inteira, o obrigando a abrir o álbum de família escrito por seu bisavô Generoso Frusciante, que deixou mulher e filhos no início da segunda guerra para tentar fazer fortuna do outro lado do Atlântico, onde tinha uma "segunda" família.




Durante sua estadia de três dias em Ravello, Frusciante junto com sua namorada Emily Kobal e sua inseparável Fender Stratocaster, passou a apreciar toda Revello. Ele foi incapaz de resistir às tentações do restaurante de Rossellini no Palazzo Sasso, onde ele estava hospedado e a onde ele foi capaz de degustar à sua paixão por um bom vinho, colocando em teste "Papa Nando" um dos melhores sommeliers de "Belpaese”, escolhendo uma garrafa vintage de Solaia Super Toscano, que foram produzidos entre 1990 e 1997.


Agradecimento: Iva (Invisible Movement) e Universo Frusciante. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário