25 de novembro de 2019

Johnny Ramone faleceu ao lado de Frusciante e de outros amigos


Lisa Marie Presley, no epílogo de Commando, a autobiografia de Johnny Ramone lançada em 2012, escreveu sobre a morte do guitarrista que aconteceu em Los Angeles, no dia 15 de setembro de 2004:

“Johnny [Ramone] era um amigo querido, era ranzinza, era leal, de bom coração, afável por dentro, intransigente, e bem... ranzinza. Éramos parecidos e é por isso que nos dávamos tão bem. Ele assumiu um papel paternal em minha vida, e eu o respeitava e amava profundamente. Johnny escolhia a dedo certas pessoas para ficarem ao seu redor, e eu me sinto afortunada por ter sido uma delas.

O dia em que Johnny morreu, em sua cadeira, na sua casa, em Los Angeles, foi uma das experiências mais inacreditáveis, fantásticas e macabras da minha vida. Ele esperou até seu círculo de entes queridos estar em torno dele e então se entregou... Linda (sua mulher), Eddie Vedder, John Frusciante, Vicente Gallo, Steve Jones, Rob Zombie, Pete Yorn, meu marido (Nicolas Cage) e eu ficamos todos reunidos por horas ao redor dele, contando historias noite adentro, nos despedindo, rindo e chorando, sentados em volta dele – sentados envolta dele inclusive enquanto assistíamos à cobertura do noticiários sobre seu falecimento. Foi incrivelmente profundo e reconfortante. Foi uma versão punk rock e rock and roll do filme O Reencontro (The Big Chill).

Ele foi levado e cremado na manhã seguinte. Foi muito parecido com um velório irlandês e exatamente do jeito que Johnny iria querer que fosse. Foi também do jeito que ele gostava que as coisas fossem em vida – cercado por quem e pelo que ele amava – e foi punk rock. Jamais vou esquecer disso, e jamais vou esquecer dele... ele era uma lenda, um bom amigo e bem... ele era ranzinza.”



Três dias antes da morte de Johnny Ramone (12 de setembro de 2004), Frusciante e os outros Chili Peppers se apresentaram no show em comemoração aos 30 anos dos Ramones, tocando "I Wanna Be Sedated", It's a Long Way Back", "I Just Want to Have Something to Do" e "She's the One". Porém Johnny não pode estar presente.

"Para mim parece óbvio que ele se manteve vivo ate que o show acontecesse. Ele ficou muito triste de não poder ir no show. E eu acho que ele sabia algumas semanas antes que não seria possível ele ir ao show. Apesar dele ter perdido toda sua vontade de viver, quero dizer ele perdeu a fora e a habilidade de continuar vivo, mas ele se forçou a ficar vivo até o show. Ele morreu três dias depois do show, na verdade dois dias inteiros depois do show. Foi tempo suficiente apenas para ouvir algumas pessoas. Eu acho que isso significava algo para ele por que era o aniversario de 30 anos do primeiro show (dos Ramones). E eu não acho que dei muitos detalhes sobre o show, falei sobre as coisas que achei boas. E eu acho que ele ficou feliz."
- John Frusciante - Resistente Demais Para Morrer (Um Tributo a Johnny Ramone) - Final de 2004







No túmulo de Johnny Ramone tem uma mensagem de John Frusciante: "As good a friend as there ever was".


“Se ele pudesse me ouvir, gostaria de agradecer por toda a musica que ele me apresentou, todos os filmes que me mostrou, e todos os conselhos que me deu. Também quero dizer o quanto cada segundo que passei ao seu lado significou para mim. E sempre vou guardar com a máxima consideração o que me ensinou.”




Tradução: Eloá Otrenti - Frusciante Brazil

Siga a Frusciante Brazil para ter acesso a informação e a pílulas dessas entrevistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário