27 de fevereiro de 2017

Um Exercício para o Cérebro e as Mãos


Primeira postagem realizada por John Frusciante no johnfrusciante.com - em 14 de novembro de 2008. Nela, Frusciante explica o motivo por ter criado o site e demonstra um exercício com intuito de estimular o cérebro e as mãos - exemplificado na guitarra - mas podendo ser adaptado a qualquer instrumento e também na voz. 

"Olá. Aqui é John. Eu vou manter este blog como um lugar para escrever coisas para as pessoas que ouvem a minha música. Eu vou escrever o que eu sinto que devo dizer sempre que me dê vontade de fazer isso. Eu não gosto dos antigos canais de mídia e esta é uma forma de comunicar com as pessoas sem o filtro de revistas e suas besteiras que não tem nada a ver com música.

Eu gostaria de começar explicando um exercício (para o cérebro tanto quanto as mãos) que eu imagino poder ser feito em qualquer instrumento (incluindo a voz), mas eu vou explicar isso usando a guitarra.

Lição 1:

Exemplo 1: Tocar quaisquer quatro notas em sucessão ascendente repetidamente, como, por exemplo, as quatro primeiras notas de uma escala maior. A idéia é tocar as 4 notas, repetidamente, mas mentalmente contar em cinco e acentuar a primeira de cada 5. Então deixe que a sua mão esquerda vá por si própria e concentre-se em contar mentalmente;

1,2,3,4,5,1,2,3,4,5

Cada vez que você estiver na #1 toque a nota mais alto que o resto. Você verá que o primeiro acento cai na primeira nota. O segundo acento recai sobre a segunda nota na segunda vez. O terceiro acento recai sobre a nota 3 na terceira vez. O quarto acento recai sobre a nota 4 na quarta vez. Isso nos traz de volta a acentuar a nota primeira e o exercício se repete.

Exemplo 2: Se você acentuar essas mesmas quatro notas em 7, você verá os os acentos irem para trás a partir do primeiro exemplo. Você, naturalmente, acentua a primeira nota e, em seguida, você continua tocando suas quatro notas em sucessão, mas o sétimo e o segundo acento acabam na quarta nota, o terceiro acento recai na terceira nota, o quarto acento recai sobre a 2 ª nota e o quinto acento recai na primeira nota. Há versões mais complexas do presente exercício, mas estes dois exemplos expressam a idéia básica de que existe um padrão de notas sendo tocadas pela mão esquerda que é um montante de números e outro padrão de acentos sendo tocados pela mão direita, que é outro montante de números.

Para um não-músico, a idéia pode ser ilustrada como duas linhas, como estas:

123412341234123412341

123451234512345123451


Olhe para onde as notas da linha inferior ocorrem em relação à linha superior. A segunda na linha de baixo tem um 2 acima dela. A terceira tem um três sobre ela. A quarta tem um 4 em cima e a quinta tem um 1 sobre ele, altura em que a série iria repetir e ser a mesma até o infinito. Qualquer repetição de 2 números (como 5, 7,11 e 9) que ocorrem em paralelo com um outro terá essa organização circular, que é fornecida pela estrutura da própria existência.

Quando fazemos música estamos agindo em números, que são imutáveis. Na música várias séries de números estão ocorrendo simultaneamente, encontrando uma certa quantidade de pontos de coordenadas. Quando ouvimos uma banda no meio de uma canção, uma menina está em sua nota de 100 e outra garota está em sua nota 76 e outra garota está em sua nota 50, não podemos deixar de ouvir estas pessoas como estando no mesmo ponto juntas. Desta forma, a música é um exemplo da reconciliação das diferenças. Apesar de os próprios números poderem ser diferentes, ouvimo-los como sendo o mesmo. Embora percebamos cada número como sendo diferentes, no final, todos os números como um todo são uma única coisa, como sendo dependentes uns dos outros e não existindo sem o outro.

Quando se toca música, não é necessário contar as notas, mas é desejável tirar o máximo de diferença expressiva e ao mesmo tempo ter pontos de conexão. Um baixista que está acostumado a tocar apenas o que é a nota mais baixa na corda do instrumento provavelmente não está tirando o máximo partido da sua capacidade de se expressar. Se ele toca diferentes notas e ritmos diferentes no baixo, enquanto o guitarrista faz sua performance, e se essas duas coisas parecem ligar-se emocionalmente, então a música está expressando as diferenças de dois povos e juntando-as simultaneamente. É a mesma coisa na vida do modo que, embora os nossos sentidos e inteligência dotem-nos com a capacidade de ver cada coisa como diferente de tudo o mais, nós também somos abençoados por sermos capazes de ver a relação entre essas coisas; e o fato de que essas relações existem mostra que todas elas estão em conjunto como algo único.

Os números tornam-se mais inconcebíveis quanto maiores ou menores forem. Você vai achar mais fácil tentar visualizar um amigo seu na sua mente, mas é mais difícil visualizar dois amigos ao mesmo tempo, e exponencialmente mais difícil visualizar 3 e assim por diante. E já que o maior número possível é inconcebível, bem como a menor fração sendo inconcebível, podemos ver que nos preocupamos com os números os quais nossas mentes têm a capacidade de compreender e trabalhar. Como músicos, os nossos pensamentos geralmente giram em torno dos números menores. Na música o número quatro e seus primeiros múltiplos aparecem muito, mas temos a capacidade de mexer com isso, introduzindo todos os tipos de números dentro disso. As pessoas que nunca pensam musical-numeralmente geralmente agrupam as coisas em quatro. Eu acho que deve haver algo sobre aquele número que nós gostamos, uma vez que a maioria das músicas do mundo ocidental está em 4 / 4, e a primeira harmonia descoberta pelo homem foi o paralelo do quarto. Coisas ocorrendo em 16 ou 32 ciclos de bar parecem fazer sentido para nós, e mesmo quando as assinaturas de tempo são ímpares, nós ainda as resolvemos e começamos uma nova jornada, depois de 16 ou 32 ou 64 bars. Mas exceções podem e são feitas para essas coisas. Há infinitas possibilidades aqui e parece que, ignorando a atividade dos números na música, muitas vezes, acaba-se aderindo a muitos dos mesmos padrões numéricos repetidamente. Por estar cientes disso, nós podemos evitar essas tendências numéricas (fórmulas) e orientar os nossos pensamentos musicais para se conformarem com uma idéia nova.

Também é bom lembrar que as nossas diferenças como pessoas podem ser pontos de conexão, e não temos que nos vestir como nossos amigos, ou ter a mesma opinião deles para reforçar essa ligação. Isso é o que o exercício diz: Minha mão direita está vendo as coisas de uma maneira, a minha mão esquerda está vendo de outro, mas elas se juntam e sua união cria uma terceira coisa. Como duas pessoas de sexos opostos fazerem sexo e um bebê resultante. Ou ganhar uma visão mais ampla por conversar com alguém cuja opinião diverge da sua.

Em relação ao exercício, quando um músico toca um instrumento convencional, cada nota é tocada em uma velocidade diferente. Tenho notado que quando os músicos têm uma química muito boa, suas escolhas individuais de tocar notas em seus diversos graus de velocidade têm uma forma cósmica de entrelaçamento e balanceamento de uma com a outra.

Não é algo que o nosso cérebro tem a capacidade de acompanhar no sentido numérico, mas um bom relacionamento com seu instrumento e um sentimento pela música que você está tocando cuida disso para nós. O exercício que eu dei, e muitos outros que tenho como este, despertam a sua habilidade de não deixar a sua escolha de como duramente você toca uma nota, ser determinada pelas óbvias inclinações que o arranjo físico das próprias notas dita. Isso realmente apenas o ajuda a ser mais expressivo de uma maneira menos previsível. Em seguida, ele se torna uma segunda natureza para ser atento, tanto a quão pesada ou leve cada nota é tocada, como às próprias notas. Você pode tentar o exercício lentamente no início, tocando todos os “uns” tão alto quanto você pode e todas as outras notas tão suave quanto possível, e ver o quão rápido você pode tocá-las antes de você ser forçado a comprometer a diferença de volumes. É muito difícil ter grandes diferenças em termos de volume de nota a nota em alta velocidade. Você também pode tentar diferentes quantidades de notas cruzadas com os acentos em lugares diferentes. Como 7notes, enquanto acentua a primeira de cada 5 notas, atinja da mesma forma a terceira de cada 5. UM dois TRÊS quatro cinco. Há muito espaço para criatividade, faça seus próprios exercícios com base nessa idéia. Eu acredito que você vai descobrir-se tocando mais expressivamente e com mais sentimento, como resultado de fazê-los."
- John Frusciante


Fonte: Universo Frusciante

Um comentário:

  1. Frusciante, quando escolhi você como Mestre e Mentor musical não foi pelo som que você emitia, não foi por suas composições, não foi por sua criatividade, não foi pelas guitarras incríveis que você usa, não foi pelo sucesso do RHCP, nada disso me fez te escolher, o que me fez te escolher foi sua genialidade, seu poder de conversão dos sentimentos em notas musicais, foi por toda sua gentileza em nos mostrar outro caminho do mesmo.

    Não sou uma pessoa de fazer muitas leituras, trabalho muito e me sobra pouco tempo e só posso te agradecer em fazer esse meu pouco tempo valer tanto.

    Obrigado Frusciante.

    ResponderExcluir