20 de março de 2017

John Frusciante: Perguntas & Respostas


John Frusciante responde algumas perguntas envidas por fãs, possivelmente em seu site, em 2004. Diversos temas são abordados, entre eles: a visão de Frusciante sobre ser uma inspiração para tantas pessoas, a possível edição dupla de By The Way, as escolhas dos seus covers vocais, e ele dá um conselho para os guitarristas que estão iniciando a aprendizagem do instrumento.


Quando você era mais jovem, você tinha outros interesses além da música?

"Antes de me tornar tão bom tocando guitarra, eu realmente me interessava muito tocar 6, 8 ou 10 horas por dia, não havia muitas coisas que eu tinha que fazer. Portanto o tempo gasto principalmente em jogos de vídeo-game (risos), mais ou menos com 12 ou 13 anos de idade. Quando eu tinha 14 anos, ganhei um gravador cassete de quatro canais, tornando melhor as coisas que eu ouvia. Outros interesses: Eu via muitos filmes, muitas vezes eu via "Blue Velvet", "Eraserhead" ("che cleaning"), filmes de Woody Allen, John Waters. O que mais gosto ... "Clockwork Orange". Eu também leio livros de filosofia de Nietzsche, Christian Emerte, Schopenhauer, mas de outra forma era apenas uma guitarra..."

O que você acha de ser uma inspiração para tantas pessoas?

"É divertido ser útil para as pessoas. Eu sei que os músicos que admirava me ajudaram muito, salvaram minha vida, me ajudaram ao longo das fases da minha vida, que eu não conseguiria sem eles. As imagens dessas pessoas para mim são uma fonte de felicidade, por isso estou contente em poder ser útil para os outros."

Que base você usa para escolher as músicas que você canta. Porque você não se abrange a artistas muito diferentes?

"Um dos principais motivos pelos quais eu toco guitarra e canto é simplesmente o fato de que eu gosto de fazer isso. E desde quando eu ouvia muita música, tocando de alguma forma covers apenas. Meu palpite é que a questão se trata de covers nos shows, porque eu gravei os demais, pelo menos não como um artista solo. Eu realmente não sei, talvez isso depende da música. A canção "Big Takeover" dos Bad Brains, que eu coloquei no meu primeiro álbum solo a partir do período em que gravava BSSM. Naquela época, durante o táxi voltando para casa, eu cantava muitas músicas de punk rock. Catavai em um ritmo mais lento. Eu fiz isso quase todos os dias, porque se eu não tinha nenhuma rádio ou "algo que pudesse ouvir música". Foi a minha maneira de ouvir. "Big Takeover". Eu saí muito bem, então eu decidi gravá-la no meu gravador de quatro canais com bandolins, tentando obter o efeito de "Battle of Evermore" (Led Zeppelin IV). Quando estava em turnê com o Red Hot Chili Peppers, cantava canções como "I Feel Love" de Donna Summers, porque eu amo Donna Summer. Eu amo este álbum sabia e linha de baixo do Flea, assim pareceu uma boa idéia cantar essa canção. E no caso das outras músicas que eu fiz durante as apresentações solo, são canções que realmente significam muito para mim e estão na minha capacidade vocal. Às vezes eu tenho uma idéia diferente, mas não se encaixa na minha voz. As canções que lembram o amor, são particularmente importantes para mim - "All We Ever Wanted" - Bauhaus, Joy Division - New Dawn Fades, REM - Country Feedback. Eles são importantes, porque me senti muito sozinho quando eu tentei ir mais para outro mundo e expressam parte de mim. Pela mesma razão, comecei a escrever palavras sobre como eu me sentia até então."

Quais são as suas ambições em relação com a sua música no Red Hot Chili Peppers?

"Eu não sou muito ambicioso, eu nunca fui. Essa pergunta, a pergunta é: quais são meus planos. E realmente não tenho planos, nada mais do que o futuro próximo. Eu não me sinto confortável respondendo a esta pergunta..."

Existe alguém com que você gostaria de tocar/gravar, como fez com Tricky?

"Certamente existem muitas pessoas desse tipo, mas eu me sinto como um fã. Por exemplo Stereolab, mas nunca fiz nada com eles, também não quero me queimar, eu sou apenas uma fã. Trabalhei recentemente com algumas pessoas que são muito importante para mim. Eu fiz algo com Michael Rother, que é meu amigo da Alemanha. Ele era um membro do Neu!, mas também gravou grandes álbuns solo. Mesmo com Ekkehard Ehlers, que é um representante da música experimental eletrônica alemã e penso que são uma das melhores pessoas em todo o mundo lidando com música. Nós trabalhamos e foi muito divertido. Parece que eu escolho o que está disponível para mim. Eu não tenho nenhuma finalidade, a não ser fazer uma grande quantidade de música."

Pode resumir rapidamente quando as músicas de Niandra Lades e Smile foram gravadas?

"Infelizmente não tenho comigo uma cópia de Smile, mas posso falar sobre Niandra:
As Can Be” Foi escrita na casa onde nós gravamos BSSM e gravado provavelmente em um fim de semana, quando eu voltei para minha casa, porque nós não trabalhavamos no fim de semana.
My Smile is a Rifle” Eu gravei enquanto estávamos escrevendo para BSSM.
Head (Beach Arab)” Foi escrita quando eu tinha 16 anos, e foi originalmente escrita como uma música heavy metal, mas a versão dela que eu fiz para Niandra foi em uma direção diferente. Também foi gravada bem cedo no processo de escrita "Blood Sugar".
Big Takeover” Está também foi gravada enquanto estávamos escrevendo BSSM.
Curtains" Na época era minha única canção escrita ao piano e foi gravada durante a escrita do mesmo.
Running Away Into You” Eu gravei depois de deixar a banda. Eu acho que é a única música que eu gravei depois que eu sai, acho que um mês depois.
Mascara” Eu gravei enquanto estávamos escrevendo, e um dia depois de escrever à música eu conheci Mascara Snake do Captain Beefheart and the Magic Band, e então eu à chamei de Mascara. Eu senti que havia uma conexão entre a experiência do nosso encontro e as letras da canção.
Been Insane" Eu gravei enquanto estávamos escrevendo.
Skin Blues” Também gravei enquanto estávamos escrevendo.
Your Pussy is Glued to a Building on Fire” foi escrita na casa onde nós gravamos BSSM e gravada em um fim de semana, quando eu voltei para minha casa.
Blood on My Neck From Success” Foi escrita pouco antes de eu sair da banda e as letras eram uma espécie de ataque ao nosso gerente, Lindy Goets. Ele é um cara muito legal, eu não quero dizer nada de ruim sobre ele, mas naquele momento eu sentia que estava sendo empurrado a fazer o que ele exigia, e minha relação com minha arte estava sofrendo com esta unidade de fazer sucesso a todo custo.
Ten to Butter Blood Voodoo” Foi gravada durante a escrita do mesmo, e eu me lembro que naquele momento eu estava muito feliz, eu lembro de ter usado heroína enquanto eu tocava as partes de guitarra.
Usually Just a T-Shirt” As músicas foram gravadas na ordem em que aparecem no album, as primeiras músicas foram gravadas simultaneamente enquanto gravávamos BSSM e o restante pouco antes de eu deixar a banda. Eu acho que é interessante você poder ouvir o declínio que estava acontecendo dentro de mim. Eu acho que as duas últimas músicas são as melhores do álbum. Mas ao mesmo tempo, é muito triste... porque quando eu escuto, isso soa como uma pessoa caindo aos pedaços, como alguém prestes a se matar. A razão pela qual essas músicas são tristes é a mesma para as quais elas são boas, e eu estou orgulhoso que essas músicas são o que são. Para a última música, posso dizer que eu pensei nisso como o sentido que a minha música ia tomar depois de deixar a banda, se eu não tivesse parado de tocar, e se um amigo meu que tocava baixo não tivesse morrido.
Todas as músicas de Niandra Lades foram gravadas em minha sala de estar na 8505 Hollywood Boulevard na Kings Road em Hollywood Hills."

Existe alguma possibilidade de vermos o filme de Toni Oswald, que é uma cena da capa de Niandra?

"Esse filme foi finalizado de alguma forma recentemente. Ele ficou em processo de edição por um longo tempo, mas foi cancelado por volta de 1992. É um filme inspirado pelas idéias de Marcel Duchamp. Toni estava comigo durante a turnê de BSSM na Europa. Ela meditava muito, anotava o tempo todo em seu livro e em seguida, teve a idéia deste filme. Eu estou lá, envocando o alter ego de Duchamp - Rose Sélavy. O filme foi exibido recentemente no Viper Room. Eles tiveram uma noite de cinema e ela o mostrou. Não sei se estará em algum lugar."

Porque você carregava uma garrafa durante todo o Funky Monks e por varias vezes ia escovar os dentes?

"Este foi o período da minha vida mais feliz até então - quando morávamos na mesma casa, foi a primeira vez que tantas vezes escovei os dentes. Devo continuar a fazer isso mais tarde. Mas foi provavelmente a única vez que fiz de forma tão obsessiva. Eu recomendo escovar todos dentes, é uma grande coisa. Está garrafa, que eu usava ... Naquela época eu bebia muito suco, abacaxi com coco. É um gosto que me lembra a gravação de BSSM. O que mais .. eu estava bebendo suco de framboesa, entre outros. E até mesmo suco de abacaxi, banana, coco - isso era bom. E não, a menos que ele fosse com abacaxi."

Existe algum material inédito gravado após sua saída da banda? Se sim, você planeja disponibiliza-lo, como pela à Internet?

"'Smile From The Streets You Hold', contém as canções daquele período. Não há outras, que não as de 'Smile...'."

Se você tivesse que escolher um artista ou banda que teve um grande impacto em sua vida, qual seria?

"As pessoas que veem em minha mente são à de Mark Bolan do T Rex, Lou Reed, David Bowie, Iggy Pop... também. O melhor de suas músicas que veem à minha mente, quando eu era criança e que sempre descobria alguns aspectos novos. Além disso, eu passo por fases em que eles ou alguém realmente afeta quem eu sou. No momento é Peter Hammill e Joy Division, John Cale, Velvet Underground and Nico, Cat Stevens - provavelmente são meus artistas preferidos no momento."


Eu gostaria de saber se o projeto que realizou com Flea e Omar nunca será lançado?

"Não está terminado ainda, mas certamente será lançado assim que terminar. Neste momento, temos apenas planos. Mas à um monte de material já gravado com Omar para seu álbum solo, que é trilha sonora do filme, gravamos no estúdio de Jeremy Ward. Estou muito orgulhoso deste material. Mesmo com as gravações acontecendo em um 8 canais em sua casa, que também são muito bons. Na verdade, Omar, Flea e eu escrevemos juntos três músicas, em um momento em que estávamos juntos em turnê, temos a intenção de gravá-las provavelmente em abril ou maio."

Você planeja lançar um álbum com material novo, que você esteja apresentando durante a "Performance"?

"Não temos planos para lançar este desempenho fora o 2 e o 3, o que fizemos. Certamente gostaríamos de lançar um álbum de coisas experimentais, mas lidamos com músicas diferentes."

Uma vez que vocês gravaram cerca de 30 canções para By The Way, vocês planejam lançar um álbum duplo algum dia?

"Nós consideramos na edição do By The Way, como sendo um álbum duplo, que eu pessoalmente acho que seria uma boa idéia, mas foi decidido que nós deveríamos fazer apenas um álbum muito longo. Para mim, algumas das melhores músicas do By The Way foram lançadas apenas como b-side ou lançadas apenas no exterior. Mas, afinal nós pensamos sobre o assunto de lançar todos os lado B do material em um disco, e certamente vai acontecer algum dia."

Que conselho você daria para alguém que está apenas começando como guitarrista? Como deve tocar e qual é o aspecto-chave do desenvolvimento da tocabilidade?

"Pelo que eu noto, a coisa mais importante é que você realmente ame música. Há muitas maneiras de tocar guitarra. Eu recomendo aprender a tocar ouvindo atentamente as gravações. Eu só comecei a aprender música de tanto como eu poderia apenas grava-las, e eventualmente, você desenvolve um vocabulário musical, baseado no que eu aprendi tocando por ouvido. Foi um processo lento, mas me parece que eu comecei a partir de coisas simples, como punk rock e new wave. Eventualmente, eu mudei para guitarristas dos anos 60, rock progressivo, rock progressivo e coisas assim. Atualmente, estou em um estado de aprender praticamente tudo o que eu gostaria de tocar, e isso é algo que ainda funciona e é uma grande fonte de idéias que caem em minha mente.

Parece-me também que você não pode passar a vida sem conhecer teoria. Na minha opinião, ela amplia perspectivas. Se você usar a teoria da informação, da mesma forma que os músicos de jazz como Charles Mingus e John Coltrane, ou seja, quando você conhece as regras - você pode quebrá-las com a fantasia. Eu prefiro quebrar as regras, porque eu tenho uma idéia interessante para fazê-las, não porque eu as quebrei, porque eu não tenho idéia do que estou fazendo. Eu gosto de ver a música através do prisma da cor, e para mim saber teoria, é como nomear as cores. Uma vez que você conseguir capturá-las você pode ver todas as outras maneiras pelas quais você pode quebrar as regras. Eu acho que isso ajuda muito e eu estou contente, porque aprendi muitas destas coisas quando eu era adolescente. Mas é importante nunca dar um close só no aspecto físico de ser um guitarrista. E importante se estabelecer com uma técnica, mas você deve entender que não tem nada a ver com música. Técnica é apenas seguir a música e a música não tem nada a ver com a aparência dela ao tocar guitarra. É algo que não pode ficar em sua mente como um adolescente. Foi assim até terminar, pelo menos aos 20 anos. Eu não poderia conceber totalmente do que as pessoas têm-me dito por muitos anos. De alguma forma, não ficou surpreso em minha mente até que um dia, quando eu escutei o álbum "Marquee Moon" do Television, e eu percebi que este era um som que é extraído, e que acontece fisicamente no pescoço não importa. Em particular, eu estou pensando em pessoas como Keith Richard, cujo o toque é muito poderoso e, ainda assim simples. Em seguida, ele foi surpreendido para sempre no meu cérebro, que o que importa é o que cria cores por meio de um instrumento, não o que você faz."

Nenhum comentário:

Postar um comentário