29 de março de 2017

Uma semana na vida de John Frusciante - Junho de 2004

Matéria feita pela revista Classic Rock em junho de 2004, onde diferentemente de muitas outras entrevistas o tema abordado não é o "neura espiritual que o John vive" e sim o que ele come, lê, assisti... Uma boa matéria para conhecer melhor o John "mortal".





 UMA SEMANA NA VIDA DE
John Frusciante

No pouco tempo em que o guitarrista do Red Hot Chili Peppers não está ouvindo ou tocando música, ele conta a James Halbert, na maioria das vezes cozinha uma refeição, lê biografias ou vai fundo na matemática; nenhum esporte aqui.

Eu coloco uma música para acordar, alguma coisa para me levantar. Então vou fazer alguns alongamentos e sair correndo pela minha vizinhança, que fica em Hollywood Hills. Enquanto estou me movimentando, estarei ouvindo alguma coisa nos fones de ouvido. No momento, são geralmente álbuns de Van Der Graaf Generator, como ‘Godbluff’ e' Still Life ', ou álbuns solo de Peter Hammill. Para mim, essa é música boa para correr. Quando eu estava fazendo o meu mais recente álbum ‘Shadows Collide With People’, eu estava ouvindo muito 'Tarkus', de Emerson Lake & Palmer. Eu costumo correr entre duas e seis milhas por dia, e minha resistência física está melhorando o tempo todo.

Eu não faço ioga, como os outros caras no Chili Peppers. Porém, estou extremamente flexível, posso entrar na posição de lótus ou fazer as separações, sem qualquer dor. Yoga é bom para liberar a tensão, mas eu realmente não tenho qualquer tensão para liberar. Além disso, quando você é tão flexível como eu sou, yoga é realmente muito arriscado, porque eu poderia facilmente colocar uma costela para fora.

Depois do banho eu vou comer alguma coisa. E costumo ler durante o café da manhã. O último livro foi Perdurabo: A vida de Aleister Crowley. É uma biografia muito boa, por Richard Kaczynski. Deu-me uma idéia mais clara de quem Crowley era do que a sua própria autobiografia, embora haja um certo significado que ainda me confunde. Há cerca de dez livros que você tem que ter lido para ser capaz de entender a linguagem de Crowley, você não pode simplesmente pular lá dentro. Ele realmente escreveu um livro com magia, que é supostamente para o leigo, no entanto. Eu acho que é o quarto livro.

Ultimamente eu pego para ler mais biografias - ou pelo menos o material fatual – do que romances. Agora eu estou lendo um livro de Iannis Xenakis, arquiteto grego, matemático e compositor. Estou realmente ligado em sua música, e eu tenho de tomar algumas aulas de matemática para o meu próprio interesse. Eu tenho uma professora que vem aqui, e quando ela vai embora eu pratico o que ela me ensinou e ouço música clássica do século 20.

Dizem que há uma forte ligação entre a matemática e a música, e eu definitivamente vou junto com isso. Eu acredito que qualquer música que nós considerarmos boa pode ser explicada em termos de matemática. Para mim, a maneira que eu aplico a matemática na música é em grande parte subconsciente, mas agora estou tentando mudar isso em minha mente consciente. A principal razão que eu estou tendo aulas, porém, é que assim eu posso entender o meu sintetizador modular a partir de um ponto de vista mais profundo, e espero aprender a construir módulos eu mesmo. Para mim a matemática é divertida. Eu gosto encerrar cada dia sabendo que aprendi algo novo, sentindo que eu fiz algum tipo de progresso. Além disso, a maior parte do meu dia é gasto sentado no sofá ouvindo música, e se estou interessado em aprender algo sobre a guitarra eu vou fazê-lo. A última canção que eu aprendi de outra pessoa era 'Katmandu' de Cat Stevens. Eu gosto de seu “finger-picking” nessa canção. O tipo de coisa que constituiria um grande avanço, porém, seria se eu escrevesse uma canção nova com um acorde nela que eu nunca tivesse usado antes.

Quando não estou ocupado com os Chilis, vou reunir pequenos projetos de gravações para mim, ou meu amigo Josh [Klinghoffer] e vou tocar pequenos shows experimentais em lugares como o Knitting Factory. É divertido. Nós só ensaiamos no dia anterior, e é muito relaxante. Nós apenas começamos com uma orientação básica e vemos o que transparece.

Eu cozinho todas as minhas próprias refeições. Na maior parte é verdura, mas eu não sou vegetariano. Haverá geralmente um salmão grelhado ou carne para a proteína. Eu cozinho os legumes a vapor ou refogados em azeite de oliva. Desde que eu comecei a cozinhar para mim mesmo, estou relutante em comer fora, mas se eu tiver que fazê-lo, por uma razão social, eu vou a um restaurante macrobiótico local. Eu não pratico nenhum esporte, e eu não tenho nenhum animal de estimação. Eu gosto de gatos, mas viajo muito, então eu não seria um bom pai.

Às vezes eu vou passar por períodos em que eu assisto a um filme, ou parte de um filme, a cada dia antes de dormir. Eu gosto de filmes de Jean-Luc Godard, e quando estava fazendo o meu álbum mais recente eu estava assistindo muitos filmes de Werner Herzog: O Enigma de Kaspar Hauser é um filme muito engraçado, Asas da Esperança é muito grande - que é o documentário em que Herzog leva uma mulher alemã de volta para onde ela foi a única sobrevivente de um acidente de avião, na selva sul-americana.

Eu não assisto muita TV, mas meus amigos me convenceram a ver a série de comédia da HBO Curb Your Enthusiasm, estrelada por Larry David, que é excelente. Tanta gente me disse coisas boas sobre ela que fiquei na curiosidade, e a comprei em DVD.

Uma coisa que coleciono são cartazes de filmes antigos de Hollywood. Tenho um monte de Andy Warhol. É difícil encontrar o material que foi feito para os filmes bem antigos, mas tenho alguns. Eles estão em exposição, eu não os tenho embalados e guardados. Obviamente, eu tenho uma coleção de guitarras também. Se estou sentado em casa, eu provavelmente escolho uma das três guitarras acústicas Martin que tenho, que foram feitas na década de cinqüenta. Se vou pegar uma elétrica, provavelmente vai ser a minha Fender Mustang.

Ultimamente todos estão tão preocupados com a fama e o dinheiro que eles esquecem que a música é infinita, e há ainda uma enorme abundância de riffs para ser escrita. Você apenas tem que se divertir e manter as coisas simples. Quando eu aparecia com coisas as quais, em retrospecto, eu acho que são boas, elas não pareciam um grande negócio na época. E tenho certeza que aconteceu o mesmo quando Joe Perry escreveu 'Walk This Way' ou Jimmy Page, escreveu o riff de 'Whole Lotta Love'.

* Álbum solo de John Frusciante mais recente, "Shadows Collide With People", está disponível agora pela WEA Records.



Postado originalmente por Dragão Frusciante no Universo Frusciante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário