9 de junho de 2017

"Eu não gosto disso, mas, é o meu trabalho" - Agosto de 2006

Trecho de entrevista realizada com John Frusciante no backstage do show do Red Hot Chili Peppers na Rose Garden Arena em Portland, Oregon, Estados Unidos - em 11 de agosto de 2006.

"As minhas pessoas favoritas que fazem música agora são Squarepusher, Aphex Twin, Venetian Snares e Autechre. Esses são meus artistas favoritos, e eu acho que eles estão um milhão de quilômetros acima do que as outras pessoas estão fazendo. Não existem muitas bandas que me deixem muito empolgado. Eu gosto muito de The Mars Volta, eu gosto de Tool... Eu não escuto muitas bandas, eu gosto desses artistas de música eletrônica porque eu acredito que eles estejam levando a música a um novo patamar, e levando arquitetura sônica a um novo patamar. Eu gosto de pessoas dos anos 60 e 70. Era nessa época que, para mim, as bandas realmente faziam algo especial.

As pessoas da indústria evoluíram e ficaram bem espertas sobre o que fazer, e consequentemente, qualquer pessoa que se respeita como ser humano ou como artista, não segue mais os passos de ser um artista pop. Nos anos 60, isso era natural, você nem pensava muito nisso... Se você era um músico talentoso ou tinha talento como artista, era algo novo. Não havia cena underground, sabe. Se você era underground, você seria um músico de jazz ou algo assim. Não havia underground de rock.

As pessoas que realmente se respeitam, se dão o trabalho extra de evitar ter qualquer relação com a indústria musical, em sua maior perspectiva. Felizmente, na minha situação específica, isso me oferece muita liberdade, e eu estou só aprendendo a ser bom comigo mesmo, e aprendendo a proteger meus direitos como músico ou artista, mas isso é difícil. Estivemos trabalhando muito e por muito tempo, e eu sou o tipo de pessoa que gosta de ser criativo o tempo todo, e estivemos trabalhando tanto em coisas que, para mim... por exemplo, mixar da maneira como nós fazemos, não envolve muita criatividade para mim, e nós passamos seis meses fazendo isso, depois partimos logo para a divulgação, e fazemos isso por uns quatro meses, e então entramos em turnê por um longo tempo. Isso não te deixa muito espaço para seguir sua imaginação aonde ela for. Eu não gosto disso, mas, é o trabalho. É o meu trabalho."


Tradução: Pedro Tavares
Ouça a entrevista completa: YouTube

Nenhum comentário:

Postar um comentário