5 de julho de 2017

A salvação de John Frusciante na música - Final de 2004


A entrevista terminou quase como começou. John Frusciante começa a falar sobre os seis álbuns que ele está lançando em de 6 meses, e então ele pára. "Vocês estão me deixando desconfortável", ele disse para o fotógrafo e eu voltei para o carro que o levou para o pico panorâmico do Dr. Mullholland.

"Você não está autorizado a tirar fotos mais de mim até eu colocar a minha camisa", ele fala para o fotógrafo.

Ele, de repente, fica abalado com a aparência de seus braços, que ficaram secos e opacos onde ele enfiou com agulhas cheias de heroína e cocaína há uma década atrás. Não é bonito, mas isso é intrigante. Frusciante se abriu sobre seu vicio em drogas no passado, o que ele não tem orgulho, e que certamente já o derrotou. E quem se preocupa com cicatrizes quando esses braços e mãos fazem a música que é popular e admirável? O que é uma cicatriz quando você é uma estrela? O que é uma cicatriz quando você é um mestre da guitarra?

Ele volta e senta no banco. "Eu pensei que você estava olhando", diz ele. Eu nem tinha notado, digo-lhe. "Estou inseguro sobre isso, eu não deveria estar", ele admite, e nós continuamos, falando sobre coisas que importam, como a música e os espíritos.


Você costuma falar de música como uma bela maneira de ajudar as pessoas a superar a dor. Você acha que foi obrigado a lançar tanta música neste momento por causa do estado do mundo agora?

"Isso poderia ser uma das razões pelas quais algo como isso poderia acontecer agora. Energeticamente, devo ter algum tipo de impulso vindo de algum lugar, porque, há cinco anos atrás, eu não poderia nem mesmo fazer música. Eu era tão incapaz de fazer algo que eu poderia dublar e sentir bem, e agora toda esta música saiu de mim.

Algumas músicas, se ela atinge apenas algumas pessoas, poderia fazer uma grande diferença no futuro. Um espirito me disse há cinco anos atrás que a minha música precisava estar aqui para duas outras pessoas pudessem ouvir. [Os dois] eram apenas crianças pequenas quando eu estava recebendo a informação, mas eles acabaram se tornando algo grande. Eu estou realmente orgulhoso de desempenhar esse papel. Eu não posso pensar em termos da minha música mudar o mundo de hoje porque a minha música não é muito popular. Ela não atinge tantas pessoas.

Eu acho que meu sentimento de "o objetivo principal da música é ajudar as pessoas [a lidar] com suas dores" tem a ver com o fato de que, quando eu estava com um monte de dor, músicos e minhas imagens de músicos e suas músicas: foi o que me levou a diante as vezes, ouvir música ou pensar sobre eles. Eu sinto automaticamente uma reação física apenas pelo pensamento das pessoas que eu amo que são músicos. Hoje, eu faço isso usando um monitor cardíaco, e se eu pensar sobre Fugazi assistindo ao vivo, meu coração fica mais lento."


Você disse uma vez que a musica vem de péssimos espíritos. Pode explicar?

"Eu acho que tudo em toda parte é um reflexo dos espíritos. Eu acredito - para mim - que o mundo que os espíritos vivem é um mundo que funciona em conjunto com os pensamentos das pessoas. A maneira como nos relacionamos com os espíritos é através dos nossos pensamentos. Seu reino é muito semelhante a um reino do pensamento. Eles são como as personalidades que foram inventadas pelo pensamento. Eu acredito que o seu mundo está trabalhando constantemente como uma espécie de espelho do mundo. Mas tudo o que está acontecendo em um período de tempo linear está acontecendo em um período de tempo não-linear lá. Se você tiver pensamentos negativos, os espíritos negativos vão querer estar ao seu redor. Se você tem idéias interessantes e pensamentos coloridos, esses espíritos estarão ao seu redor.

É importante chegar ao ponto em que você não sente que espíritos estão usando você, e se sentir como se estivesse no controle de sua própria situação. Houve momentos em minha vida quando eu estava vivendo no medo, como todo o tempo - Eu estava com medo de que um espírito estivesse tentando me empurrar. Eu estava paranoico com isso o tempo todo. Eu percebi que, se eu apenas concentrar toda a minha energia na música, se eu ouvir a música que realmente me faz sentir alguma coisa, e se eu trabalhar duro como eu posso saber o que é música, a entender o que é a música, e o que a torna tão linda para mim - se eu fazer a minha própria vida tão criativa possível - então não preciso se preocupar com espíritos tentando fuder a minha vida."


Então você acha que as pessoas precisam aprender a estrutura ou forma de ser grande?

"Eu sempre senti que, quanto mais eu aprendo, mais eu desenvolvo a minha capacidade de ter idéias que vêm de outras dimensões e colocar através da música. Estudar teoria ou aprender um solo de John Coltrane no violão, ou aprender uma canção de Charles Mingus no piano, que é o material que me ajuda a estar sempre pronto para a música decidir vir através de mim.

Eu acho que se você olhar para os músicos que têm longevidade, é muito raro você encontrar alguém que não se matou de estudar. Você vê músicos de rock piorando após alguns álbuns e você vê os músicos de jazz cada vez melhores, mesmo quando eles estão velhos. Acho que os músicos de rock, um monte de vezes, especialmente se fazem um grande álbum de estréia, perdem de vista o progresso. Eu vejo alguém como Sam Rivers, um músico de jazz antigo que tem 71 anos e toca tão bem como nunca."


Você acha que você poderia ter perdido de vista a progressão quando você saiu do Red Hot Chili Peppers?

"Sim. Eu estava acabado. Tanto quanto eu estava preocupado, eu não via um jeito de continuar tocando. Houve um período de cerca de sete meses antes de eu sair da banda que eu realmente não estava sendo quem eu era, e eu realmente não estava fazendo nada para exercer minha mente. Tudo o que eu vinha fazendo era gravar em um gravador de quatro pistas e tomando todos os tipos de drogas o tempo todo. Havia muito uso de drogas, e não é qualquer disciplina que segura isso."


Houve algum momento distintivo ou alguma hora que você se lembra que houve uma virada na sua vida?

"A minha vida estava girando em círculo, e quando o circulo se completou, eu entrei na banda novamente. O mesmo vale para eles. Quando você está em uma banda com as pessoas, você está muito ligado a elas. Mesmo quando eles não estão ao seu redor, suas vidas estão trabalhando em conjunto um com o outro.

Quando eu saí do Peppers, eles tinham um círculo inteiro pra percorrer, e ambos os círculos foram cumpridos ao mesmo tempo."


O que é mais gratificante para você, tocar para uma multidão com os Chili Peppers, ou lançar estes álbuns solo?

"Hmm ... Estas são duas coisas totalmente diferentes. Eu pessoalmente gosto de gravação mais do que eu gosto de tocar ao vivo. Eu sou um músico mais artista. Estar no palco e divertir as pessoas é algo que eu cresci fazendo, mas em meu coração isso não é o que eu nasci para fazer. Se eu conseguir fazer as pessoas sentirem alguma coisa no palco, é por causa de mim, de como eu estou tocando. Não é porque eu estou fazendo um passo de dança certo ou eu estou girando e os enviando pra uma suruba musical."


Tradução: Felipe Marcarini
Fonte: While You Were Sleeping (WYWS) - Final de 2004

Nenhum comentário:

Postar um comentário