5 de julho de 2017

O carismático Frusciante revela os segredos de seu novo álbum - Fevereiro de 2001


A música é feita somente de sete pensamentos: ideias, visões, formas, cores, arte, anjos da guarda, religião e espiritualidade. Isto é pelo menos o que o famoso guitarrista do Red Hot Chili Peppers, John Frusciante, confessou para Rockol durante sua passagem por Milão. A entrevista também mostrou os mais profundos aspectos iluminados de um músico escondidos do público, o passado conturbado, o presente, e seu terceiro álbum solo, "To Record Only Water For Ten Days”.


Nos fale sobre sua história como um adolescente antes de se juntar ao Red Hot Chili Peppers? Que tipo de música você escutava?

"Eu praticamente cresci em meu quarto tocando, noite e dia, até que chegou a hora de ir à escola. Cheguei na escola e me colocaram para dormir durante as quatro horas que eu tinha que ficar em sala de aula. Quando cheguei aos 17 anos me mudei para Hollywood e eu parei de tocar guitarra, até começar a tocar com um bom baixista, que acabara de conhecer. É foi então que eu entendi o que significava tocar com outra pessoa. Aos 18 anos eu conheci Flea e logo depois entrei para o Red Hot Chili Peppers. Mas eu nunca tinha sido parte de um grupo até então."


Qual foi o tipo de música e artistas que o motivou a tocar guitarra?

"O punk. Eu era um garoto em 1977 e 1978 e ouvia coisas como Van Halen e Jimmy Page, parecia impossível tocar guitarra como eles. Eu queria tocar guitarra e eu sabia que eu iria fazer isso, embora eu não tivesse uma maneira de entender como os guitarristas pudessem produzir certos sons. Mas quando eu ouvi punk-rock, em 1979 e 1980, juntamente com a nova onda, comecei a entender como tocar meu instrumento. Mesmo que eu tivesse uma guitarra elétrica, que possuía um som que estava trancada em um armário. Então o dia que eu comecei a tocar eu era inspirado no Germs, nos Sex Pistols, Black Flag, Circle Jerks e Mad Society, um grupo de adolescentes agora esquecido."


Qual é o significado do título de seu álbum, "To Record Only Water For Ten Days"? É uma gravação muito espiritual, ao que parece. Você tem sido influenciado pela tradição dos nativos americanos?

"Meu novo álbum tem um título simbólico: eu pensei no meu corpo sendo como um gravador de fita imaginando sons; para gravar somente água por dez dias, isso para alcançar um "estado de purificação interior" que me permitisse representar com música, o que vejo em mim na "quarta dimensão". O sentimento que eu coloquei na minha música, na minha mente por espíritos, e a execução efetiva dos sons que ouço, traduzida em música, que também já estão presentes em mim, é no meu trabalho. Eu acredito que toda a música é espiritual e eu acho que e a música mais bonita que está sendo criada por artistas que não estão cientes até o fim do que eles escreveram. Quando eu escuto a música, sinto os fantasmas que foram na música para criá-la, e desde que eles estejam cientes dessa coisa, eu acho que têm algo em comum com os índios da América, embora não seja uma influência direta, porque eles não sabem sua música."


Você falou sobre a espiritualidade, qual é o seu conceito de religião?


"Eu não sigo nenhuma religião em particular. Eu só sei que os espíritos me seguem e eu sinto que trabalharmos juntos todos os dias. É uma coisa da qual eu tomo consciência de mim e não através de livros ou outras leituras que eu fiz. Quando eu tinha 21 anos eu estava tocando guitarra e fazendo shows. Mais eu disse a mim mesmo "você não está aqui, e você não deve fazer nada com essa música." Quando eu fiz isso, minha hesitação desapareceu e toquei muito melhor do que antes. E cada nota era boa, tinha um significado, mas não era eu, porque eu não queria que acontecesse diretamente. A partir desse momento, sempre acreditei que os espíritos desceram para uma pessoa, ajudando na sua vida."


O álbum contém muitos sons diferentes, samples e drum machines. Isso foi uma necessidade ou uma escolha artística?

"Isto é o que eu queria fazer. Foi o som que eu ouvi na minha cabeça há três anos, quando eu imaginava que tipo de música eu queria compor. Nos últimos três anos, 60% da música que eu estava ouvindo era discos eletrônicos. Quando eu percebi que poderia reproduzir sons na minha cabeça isso era uma grande revelação. Quando eu ouvi alguns álbuns do Depeche Mode e Björk, eu me abri a um novo mundo."


Você gosta de arte moderna? Quando você fala sobre estes sons, você vê toda a imagem em sua cabeça?

"Meu artista favorito é Marcel Duchamp e de arte moderna em particular, incluindo Andy Warhol. Quanto a Andy Warhol, eu realmente gosto de seus filmes, eu tenho uma grande coleção. Quando eu compor uma música, acho que em termos de "display". Tento abordar a música da maneira que os artistas estavam se aproximando da arte, talvez porque nos últimos oito anos, eu lia avidamente os diários de Leonardo Da Vinci e Marcel Duchamp. Especialmente quando eu toco guitarra, eu sempre acho que os pontos, linhas, para as linhas, perspectiva e as áreas que estão na minha cabeça, imagino uma imagem se revelando lentamente. Certamente quando eu escrevo as letras, as minhas influências principais incluem Leonardo Da Vinci e Marcel Duchamp. A música para mim recriar as imagens que estão dentro de mim, as cores e as "ondas cerebrais" que realmente têm alguma consistência. Leonardo da Vinci teorizou que o homem deve ser "mestre e possuidor dos segredos da natureza" para ser capaz de representar. Esta é uma teoria que eu sempre tenho em mente."


Você já trabalhou com Tricky, pode nos dizer como foi?

"Essa foi definitivamente uma experiência muito interessante, porque ele trabalha tão rápido. Eu me senti confortável com ele, porque você não ouve nada, apenas faz. Quando você trabalha com Tricky você nunca sabe como vai ser uma parte do som. Quando eu compor e gravar uma parte, eu sei exatamente o que vai sair, porque o sentimento original está comigo do começo ao fim, então eu não preciso de produtores que agregue ideias para a minha música. Nisto Tricky e eu somos muito parecidos. Ele sabe exatamente o que ele quer, algo que não funciona com Flea, o que leva tempo. Fiquei feliz em trabalhar com ele. Se eu estivesse tocando duas notas ao mesmo tempo ele parava e dizia "ok, isso é o que eu queria." O interessante é que Tricky funciona no sentido inverso: a canção não está escrita, e em seguida, organiza, ele grava uma canção em primeiro lugar, então o sistema e depois arranja os vocais na música produzida ... no final diz: "Bem, agora começa a composição" ."


Em seu novo álbum à uma canção intitulada "The First Season". É sobre o quê?

"Eu escrevi no início da manhã. É difícil expressar exatamente o que estão dizendo minhas canções, porque eu sigo as emoções, um fluxo de idéias que vêm da minha consciência. Cada verso que eu escrevo tem um significado diferente, mesmo em comparação com o próximo, por isso não é necessariamente uma ligação entre uma frase e outra. Como para esta música em particular, a idéia surgiu a partir da perspectiva de estar por trás de uma "parede" do espaço, uma parede que me permitiu ver, mas para não ser visto, como se eu fosse um grande olho. E 'uma das poucas canções que foram escritas em Los Angeles, quase tudo foi escrito enquanto eu estava em turnê com o Red Hot Chili Peppers."


Você disse que se juntar a um grupo como o Red Hot Chili Peppers foi um sonho. Quais são as razões que o motivou a abandoná-los?

"Uma voz na minha cabeça me disse para deixar a banda após a conclusão do álbum "Blood Sugar Sex Magik". Isso foi, naquele momento sensato para mim, porque eu estava no auge da minha criatividade e sucesso, e eu queria que a criatividade não para-se, mas continuou a fluir livremente. Senti que continuar a viver a vida que eu vivi enquanto estava em turnê, poderia ser anti-criativo para mim. Assim, mesmo que naquele momento todos os membros do grupo se sentia bem por isso, foi difícil para mim fazer uma escolha desse tipo, quando eu estava no meio da turnê e eu percebi que minha vida estava desmoronando, eu decidi deixar todos. Eu havia chegado a um ponto onde eu já não gostava do que eu mesmo toquei, e especialmente como eu toquei. Eu percebi que a voz dentro de mim me disse cerca de nove meses antes, que ele estava certo e que eu tinha ido longe demais. Mas estar em um grupo, hoje, é um sonho, mais do que era no começo. Estamos muito bem juntos e não poderia ser melhor."


Como você se vê como um cantor?

"Eu percebo que em comparação com outros guitarristas talvez saia melhor eu não me comparo aos cantores, mas eu realmente gosto da minha voz e eu gosto de cantar. Eles são dois métodos diferentes de expressão, mas são do mesmo lugar. Eu não poderia viver sem cantar."


Fonte: Rockol - 12 de Fevereiro de 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário