24 de julho de 2017

Espírito no mundo material - Agosto de 1997

...O ex- guitartista dos Chili Peppers, John Frusciante, está exorcizando seus demônios estes dias com o pincel e um bando de projetos musicais. Jamie O'Shea anda pelo estúdio.

A vida de John Frusciante após deixar os Red Hot Chili Peppers em 1992, devido à turnê de estresse e rumores de conflitos de personalidade, não era um retrato bonito. Todos sabiam o que ele estava fazendo trancado na mansão em Hollywood Hills cujo estrelato do rock havia construído. Ele era um garotão “fodendo tudo” até na privacidade da sua própria casa. Foi uma época em que se viu uma rápida transferência de poder entre os demônios artísticos de John.

"Depois que eu saí da banda", explica ele, tomando um fôlego lento e profundo , “eu estava muito mais interessado na pintura do que em tocar música. Eu ficaria pintando durante três dias em uma galeria e adormeceria com o rosto em um pintura. Eu não estava mais tocando, mas então eu comecei a cantar junto com discos, enquanto eu estava desenhando, e peguei meu violão novamente apenas para gravar coisas em casa." Estas foram as obras por vezes brilhantes, ferozmente anti-comerciais, que estavam a montar o seu primeiro álbum solo, Niandra Lades And Usually Just A T-Shirt, lançado em 1994. Foi uma compilação de canções que chocou o inferno fora de qualquer pessoa à espera de ouvir uma outra parcela de funk Chili Pepper.

As pinturas de Frusciante e as gravações em quatro faixas, incluindo o seu mais recente álbum, Smile From the Streets You Hold - uma oferta atada a torturadas, muitas vezes incompreensíveis canções, e inspiradas vertentes de guitarra, especialmente presente na aparentemente autobiográfica "I May Again Know John" - revelam talvez mais sobre a alma do artista do que qualquer aspecto de sua carreira. Intensamente pessoais, as pinturas de John, em camadas com rabiscos de mãos de tinta acrílica e fartos feixes de redemoinhos, são como desenhos de crianças assombradas que canalizam uma presença profunda, ressonante. Como um exorcismo dos demônios que vão assombrá-lo sozinho naquela casa, para colocar a lona.

"Com a pintura, cara" entusiasma-se Frusciante, sua voz agora animada para pegar um ritmo frenético, "você nunca sabe quando algo puta assustador vai acontecer. Você pode ser feliz fazendo isso e, de repente, você é bombardeado com espíritos que não entendem nada sobre a privacidade ", diz ele com uma risada.

Eventualmente, os fantasmas que fizeram a sua presença conhecida nas pinturas de John abriram caminho para aqueles que guiam sua maneira sub-mundana de tocar guitarra para ajudar a construir muito do novo material de Smile From the Streets You Hold . "Eu não posso fazer ambos [música e pintura] ao mesmo tempo." John explica. "Você tem uma forma diferente de fantasma lhe dizendo o que fazer. Com a música você pode apenas receber a energia de outras dimensões; mas com a pintura, você tem fantasmas vindos de outra dimensão direto para sua realidade. Exigem toda a sua atenção quando você está lá. "

As gravações resultantes, que se misturam com o material mais antigo (incluindo uma canção gravada aos 17 anos - pouco antes de ele se juntar ao Red Hot Chili Peppers), formam o conjunto de uma corrente perturbadora de consciência que transcende os parâmetros do rock & roll. "A nova [do John] parece ir além da música, não é mesmo?" pensa seu amigo Stephen Perkins, baterista do Porno for Pyros e membro da Three Amoebas, uma jam band formada por ele mesmo, Frusciante e Flea. O grupo tem registrado um projeto paralelo desde os dias mais recentes do Jane's Addiction e havia sido testemunha de alguns dos momentos mais funkys de Frusciante desde sua restrição como um Chili Pepper. "Eu sinto que estou sendo pressionado entre dois ímãs, quando eu toco com esses caras - a vibração é tão intensa", disse Perkins. "A mão direita de John é como um elástico, ele simplesmente tem uma pegada rítmica incrível. Ela sempre domina".

"Steve e eu vamos trabalhar para juntar essas coisas e lançar em breve. É uma das melhores coisas que já fizemos... eu tenho cerca de 30 músicas que eu tenho guardado para gravar com uma nova banda que não soa em nada como meus dois últimos discos”, Frusciante explica. Para John, gravar música com os amigos parece ser a inspiração em sua nova abordagem ao tocar. "Estou animado para tocar com uma banda, trabalhando em músicas que eu gosto. Coisas que eu posso tocar para os meus amigos", diz ele.

É bom ouvi-lo novamente animado. O ano passado viu um dos períodos mais produtivos de John em um longo tempo. De tocar sets improvisados na infame LA Viper Room e Small’s, a fazer o que parecia impossível após a saída do Red Hot Chili Peppers - John Frusciante parece estar no caminho para elevar-se acima do reino do excedente clichê de talentoso e junkie astro do rock.

Ainda que ele fuja do assunto sobre seu uso de heroína na conversa (Se eu fizer algo como drogas, é apenas por diversão...) é claro que John ainda está sendo perseguido intensamente por alguns demônios pessoais. Talvez porque ele é seu canal perfeito.
"Existem poucas pessoas", diz Stephen Perkins, "que podem ir a lugares espirituais. John o faz - e volta para contar sobre isso. Ele é um bom pedaço de magia".


Tradução: Débora
Fonte: Bikini Magazine - Agosto de 1997

Nenhum comentário:

Postar um comentário