17 de julho de 2016

Gear: By The Way - Red Hot Chili Peppers



"Eu queria um álbum com mais dimensão, mais sons diferentes e mais movimentos nas progressões de acordes. E também que fosse mais divertido."
- Guitar World (USA), Julho de 2002


GUITARRAS:


1962 Fender Stratocaster

"A guitarra que mais usei no By The Way foi a minha Stratocaster 62'."
- Tonal Telepathy, Agosto de 2002

John Frusciante utilizou principalmente uma Fender '62 Stratocaster com um pescoço de rosewood para as gravações do álbum. Timbres limpos eram importantes, Frusciante explica, "porque eu estava tocando muito mais acordes, e acordes que não eram somente suas tríades ou algo do tipo, e eu queria que todos esses intervalos fossem notados claramente."
- Guitar World (USA), Julho de 2002

"A Stratocaster '55 tem o timbre um pouco mais limpo e ela sempre pareceu soar melhor para o que eu queria em Califonication, mas para este álbum, a '62 soava melhor - o sustain era melhor - então usei ela praticamente por todo o caminho, além de SG e em algumas canções."
- Total Guitar, Agosto de 2002

"Então, quando os caras me perguntaram sobre se reunir novamente a banda eu disse que que precisava então de uma Stratocaster. Com isso Anthony me emprestou algum dinheiro e fomos a Guitar Center e eu comprei uma '62 com a escala em rosewood - e eu a usei em praticamente todas as faixas de By The Way."
- Guitarist Magazine, Junho de 2003

1955 Fender Stratocaster

Utilizada nas canções "The Zephyr Song" e "I Could Die For You" e em algumas partes do álbum.









1961 Gibson SG Custom

John usou outras guitarras para as sessões de By The Way, mas as faixas em que foram usadas não fazem parte do álbum. "Tivemos algumas músicas mais pesadas que não entraram no álbum, por terem um som mais pesado e distorcido - em algumas eu usei uma SG através de um Marshall que é dobrado com uma distorção", John se lembra. "Para mim, esse é o tipo final de distorção do som. Eu tenho uma excelente SG de 1961 - Vincent também descobriu ela para mim - ela tem P90s e eles são realmente ótimos. Nós também fizemos uma faixa de 15 minutos chamada "Strumming In D On J", o título significa literalmente "Dedilhando na escala de D (ré) na Jaguar" e espero que possamos lança-la, porque é uma música funky muito boa.".
- Guitarist Magazine, Junho de 2003


1955 Gretsch White Falcon

"A [Gretsch White Falcon 55'] eu só usei em Tear."
- Tonal Telepathy, Agosto de 2002

A única exceção notável foi a faixa "Tear", na qual John tocou sua grande e velha Gretsch White Falcon 55'. Que ele adquiriu com a ajuda especial de seu grande amigo, o ator e músico Vincent Gallo.
"Sim, Vincent descobriu ela para mim. É uma '57 (nota: não é uma '57 é sim '55) que antes era sua, mas ele tinha vendido a alguém e ele teve que comprá-la de volta. Ele é realmente uma mão na roda e um negociante, sabe?" diz John de seu amigo. "Ele é conhecido como ator e diretor, mas a sua verdadeira profissão é ser uma grande mão na roda e um revendedor!" Ele sorri. "Ele discutiu com esse cara e causou uma confusão feia para obtê-la de volta."
Você a queria porque ela parecia boa? "Não, eu queria ela porque Mattew Ashman, o guitarrista de Bow Wow Wow, usou uma", afirma John. "A sua não era da década de cinqüenta, porém, foi feita nos os anos setenta, mas é por isso que eu queria uma. Naquela época ele e Bernard Sumner do New Order foram os dois guitarristas que eu estava realmente encantado".
- Guitarist Magazine, Junho de 2003

1965 Fender Telecaster

"Em By The Way, toquei com as Teles mais do que com uma Strato."
- Vintage Guitar, Abril de 2009



                                                                 1963 Fender Telecaster



VIOLÕES:

Taylor/Taylor 314 CE


Para as partes acústicas, ele contou com alguns Taylors. "Eu nem sequer possuo um", acrescenta. "Nós os alugamos-los. Eles soaram bem para a gravação. Na música "Cabron", o violão esta com um capo. Eu realmente adoro usar um capo. Eu aprendi um monte de coisas do Johnny Marr recentemente, e ele parece sempre utilizar um capo. Há também um monte de violões com capo no álbum Aqualung do Jethro Tull, que eu estava ouvindo antes de compor "Cabron".
- Guitar World (USA), Julho de 2002

Os sons acusticos de By The Way forma gravados utilizando um Taylor, o produto Rick Rubin gosta deles. Frusciante não é grande fão dos Taylor's - ele prefere os Martin's.
- Guitarist Magazine, Junho de 2003

Martin 0-15

Foi utilizado nas partes acústicas de "Venice Queen".










PEDAIS:

- Ibanez WH-10 V1

"Usei o WH-10 na música Don't Forget Me, mas não há tanto wah em By The Way como nos álbuns anteriores. Eu só o liguei e o mantive em uma posição aguda. Eu realmente só precisava de um pouco de wah para essa música."
- Total Guitar, Agosto de 2002

Electro-Harmonix Electric Mistress Deluxe
Electro-Harmonix Big Muff

"Eu estou usando um monte de efeitos. Queríamos criar um verdadeiro sentido de atmosfera. Eu usei um pedal Line 6 de delay, um flanger da Electro-Harmonix e o Big Muff em muitas partes."
- Total Guitar, Agosto de 2002

- Digitech PDS-1002

Há um DigiTech digital delay na música "Don't Forget Me." "Eu toquei [double picked] 16th notes," Frusciante explica, "mas o eco está definido para onde ele está fazendo triplets. Essa música toda, aliás, é tocada somente nas cordas E (mizinha) e B (si)".
- Guitar World (USA), Julho de 2002

"Este riff foi bem considerado, pois Anthony canta sobre o meu delay me ajudando a desenvolver um grande efeito de fundo, usado em toda musica, dando mais tempo ao riff. Nos 70 você poderia utilizar como um solo, mas eu usei para colorir toda a estrofe."
- Tonal Telepathy, Agosto de 2002

- Line 6 DL4
- Line 6 FM4
- Boss FV-50 Volume

"Para "Don’t Forget Me", Eu usei envelope filter e eu estava usando o pedal de volume nessa música também - e junto a um DL4 da Line 6 em uma da configuração de delay que simulava o analógico onde que o som é constantemente realimentado."
- Total Guitar, Agosto de 2002

Electro-Harmonix Holy Grail

"Perto da finalização do álbum, por alguns overdubs, eu comecei a utilizar o pedal de reverb Holy Grail da Electro-Harmonix ".

- Guitar World (USA), Julho de 2002

TURNÊ/PEDAIS:





- Boss DS-2 Turbo Distortion [2002/2004]
- Electro-Harmonix Big Muff Pi USA [2002/2004]
- Boss PSM-5 Switch [2002/2003]
- Electro-Harmonix Holy Grail Reverb [2002/2004]
- MXR Micro Amp [2002/2004]
- Moog MF103 12-Stage Phaser [2002/2004]
- Ibanez WH-10 V1 [2002/2004]
- Boss CE-1 Chorus Ensemble [2002/2004]
- Boss FV-50 Volume [2002/2003]
- Z. Vex Fuzz Factory [2002/2003]
- Fender Tube Reverb 63' [2002/2003]
- Line 6 DL4 Delay Modeler [2002/2004]
- Line 6 FM4 Filter Modeler [2002/2004]
- Electro-Harmonix Electric Mistress Deluxe [2002/2004]
- DigiTech PDS 1002 Digital Delay [2002/2004]
- Dunlop Cry Baby 535Q [2004]



KEYS/SINTETIZADORES:

- Nord Keyboards - Nord Lead 2

"Na introdução Californication eu toquei algumas notas sobre o synth, mas na época eu não sabia realmente o que estava fazendo, eu tinha um instrumento medíocre. Agora faz mais sentido para mim, eu posso usá-lo com mais sabedoria. Mas ainda assim, estamos usando pouco, em sons suaves, não na base da música de qualquer maneira. Só Warm Tape foi composto usando um sintetizador, que eu usei nos ensaios. O resto são músicas de guitarra.Usando synth, conhecendo-o, tentando entender como ele funciona me permite ter uma nova abordagem à música. E para tocar guitarra, também."
- Tylko Rock (PL), Julho de 2002


- Doepfer A-100

Um grande sintetizador modular alemão é um dos novos brinquedos de Frusciante. Ele foi usado para processar algumas das faixas de guitarra em "Throw Away Your Television" e "Don't Forget Me."
- Guitar World (USA), Julho de 2002


AMPLIFICADORES:

- Marshall Major 
- Marshall Super Bass

"Sim, eu usei [os Marshalls Major e Super Bass] todo o tempo em estúdio."
- Tonal Telepathy, Agosto de 2002

Em By The Way, Frusciante usou um Marshall Major de 200 watts e Marshall Super Bass de 100 watts. Geralmente utilizando um destes em uma configuração estereo de som com algum outro amplificador de guitarra, tipicamente um Fender Showman Blackface conduzindo um Marshall.
- Guitar World (USA), Julho de 2002

- Fender Blackface Showman

"Uso também um reverb da Fender dos anos 50."
- Tonal Telepathy, Agosto de 2002

- Fender Tube Reverb 63'

"Eu estava usando um grande reverb de mola Fender dos anos 60. Eu usei-o com um sintetizador de modulação - que é o som que você ouve no refrão de "Throw Away Your Television". Como seria de se esperar pelo nome, ele tem "grande reverb", mas também tem um som realmente bem grosso com um ótimo tom."
- Total Guitar, Agosto de 2002






"Eu usei reverb em grande parte deste álbum, como eu nunca tinha realmente feito antes", diz ele. "Essa é uma das principais diferenças entre o som da guitarra. Eu estava realmente influenciado por toda a surf music que eu tenho escutado. Eu tinha um velho Fender Spring Reverb."

- Guitar World (USA), Julho de 2002



TURNÊ/AMPLIFICADORES:


- Marshall Major
- Marshall 25/55 Silver Jubilee (2X)
" John usa um amplificador Marshall Major 200W com válvulas KT88 e um Silver Jubilee, juntos. Os amplificadores são usados simultaneamente através de um Boss Chorus CE-1 onde o sinal entra em mono e sai em estéreo. Então, dessa forma se o chorus está ligado ou não o sinal fica dividido para os dois cabeçotes. O Silver Jubilee é apenas um pouco sujo no volume que usamos."
 Os cabeçotes Marshall Major são difíceis de se encontrar, fomos capazes de encontrar somente três e nos conhecemos um cara chamado Mike Hill, que trabalhava na Marshall e ele nos disse que eles só fizeram cerca de 100 amplificadores desse - entre 1969 -1973. Eles são especiais porque em 200W você estar no seu volume máximo e ainda ele é realmente limpo. É basicamente como um amplificador de baixo. John soa tão limpo, com toda distorção ou overdrive é seu jeito de tocar a guitarra com os diferentes pedais. Se algo der errado e eu tenho que tirar o cabeçote Marshall para conferir, e - em seguida, quando você o coloca de volta, você realmente tem que regular ele tudo de volta. Você não pode simplesmente marcar os números que usa nele e os por novamente, porque do jeito que está configurado, o jeito que nós o usamos através das entradas significa que ele tem que ser corretamente regulado ou vai se tornar muito distorcido ou não vai ser enérgico o suficiente - mudando todo o timbre - ele é muito instável. Você tem que configurá-lo cerca de quatro vezes para encontrar o ponto certo. Eu estou acostumado com isso agora. "
- Dave Lee - Guitarist Magazine, Junho de 2003 

CABOS:

"Todo o equipamento com fio é Monster Cables. Eles soam bem e duram bem."
- Dave Lee - Guitarist Magazine, Junho de 2003


PALHETAS:

"John usa as Jim Dunlop 0,60 milímetros - laranjas. Existe uma história engraçada ligada a essas palhetas. O cara que faz elas estava perguntando se John queria uma personalizada e John achou isso engraçado, tipo foi um pouco rockstar demais, sabe? Então, quando nós estávamos na América do Sul estávamos em um aeroporto e um garoto viu a banda e, em seguida, ele olhou para mim e disse: Você é Dave Lee, o cara de John [Dave Lee, guy of John]. A história chegou ao cara que fabrica as palhetas e ele fez algumas com isso."
- Dave Lee - Guitarist Magazine, Junho de 2003


Todo material aqui contido foi retirado de entrevistas e citações de John Frusciante, entrevistadores ou pessoas ligadas a ele - e imagens dos seus equipamentos durante a gravação e turnê do álbum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário