11 de julho de 2017

Vamos arriscar de novo - Abril de 2006


O Chateau Marmont Hotel, na famosa Sunset Strip, costumava ser o lugar onde os músicos do rock perdiam o controle. Lá, Anthony, Flea, John e Chad falam sobre a história do novo álbum, que vai ser lançado dia 9 de maio. "Stadium Arcadium" tem 28 canções, que, eles garantem, são as melhores de suas carreiras. Muitas delas, falam de amor: Flea e Chad estão desfrutando de seus bebês e Anthony escreveu uma canção para sua namorada, uma modelo de 18 anos de idade.

John também não consegue parar de falar sobre a sua, a cantora Emily Kokal (que acabou de gravar com Tricky). Ele diz que ela foi quem tirou ele da crise. Deitado na cama com ar melancólico, ele nos recebe, e surpreendentemente ele começa a falar sem parar, por vezes, centrado no que ele está dizendo, e às vezes pegando um atalho através de labirintos internos, que só ele conhece.

Você está indo iniciar uma nova turnê. Você está nervoso? Você acha que algo como o que aconteceu em 1992 pode acontecer de novo, quando você saiu da banda?

"Deixar a banda não é uma possibilidade. Eu não vou renunciar. Aquilo foi diferente, eu estava decidido a sair da banda desde que terminou o processo de gravação de Blood Sugar Sex Magik, e eu acabei saindo nove meses mais tarde, enquanto nós viajavamos pelo Japão. Mas até lá, eu queria realmente ir embora. Isso é uma coisa que me motiva. Eu gostaria, talvez, de um tempo para descansar, mas não deixar a banda. De jeito nenhum."

Por que lançaram um álbum duplo? Não era mais conveniente fazer dois lançamentos durante o ano como fizeram o System of a Down?

"Havia muitas razões. Primeiro, as pessoas que nos comandam não nos deixaram lançar os dois álbuns em seis meses de diferença, tinham afirmado que tinha que ser entre 14 meses para vender os singles. E é estranho estar lançando em 2007 canções que você fez em 2005. Na verdade seis meses se passaram desde que mixamos este álbum, e eu acho que sou um músico totalmente diferente da gravação destas canções agora. Além disso, não decidimos conscientemente escrever tantas músicas, creio que foi Deus quem nos deu essas músicas, que veio através de nós para os outros ouvirem. A razão pela qual o System fez isso é porque é mais conveniente dividir em dois do que lançar um álbum duplo, mas pensamos que poderíamos ter uma chance. Acreditamos que temos músicas muito boas."

Flea disse ser o melhor álbum de todos. Concorda?

"Sim, é meu favorito. Nos outros eu me sentia mais sob-controle do que eu estava fazendo, eu treinei muito para cada canção. Neste álbum porém veio o inesperado. Eu tinha uma grande confusão interior, quando eu comecei a gravar, eu estava lutando contra alguns demônios. Foi difícil. Mas ao escutar a nota e gostar do que eu estou sentindo é um outro tipo de energia. O álbum anterior, By The Way, soa demasiadamente perfeito. Nos nossos dois melhors álbuns anteriores, Californication e Blood Sugar Sex Magik, senti a crueza de quatro pessoas tocando num quarto. Agora resolvemos isso, soamos como uma banda de quatro pessoas, mas também poderiamos adicionar outras paisagens, acrescentando uma nova dimensão sonora."

Tem muitos solos de guitarra no álbum. Foi à moda antiga?

"Eu queria que mais pessoas tocassem solos. Com Omar Rodríguez (guitarrista do The Mars Volta e seu melhor amigo) estamos tentando reproduzir solos e recuperar uma parte do espírito de caras como Carlos Santana e Jimi Hendrix. Jimmy Page e Eric Clapton tocavam solos, e as pessoas iam vê-los fazendo isso. Fazia parte do show. Vamos arriscar de novo! Não tenha medo de mostrar o que podemos fazer! Nós podemos aprender com o passado. Para mim, a guitarra nunca progrediu desde que Jimmy Page a tocou."

A musica eletronica está tirando o trabalho dos guitarristas?

"Eu tenho trabalhado no som da minha guitarra, criando efeitos com um sintetizador como Omar Rodriguez, que tem milhares de efeitos em seu pedal. Nós dois estamos tentando criar texturas com o som. Eu amo a expressão rítmica de Hip-Hop que eu venho tentando aplicá-lo com o rock. Nem tudo tem que ser perfeito como o som que esses caras começaram a fazer com seus computadores. Eu digo: "Deixe o computador e olhe o que você pode fazer sozinho." Nos anos 60 os albuns dos Rolling Stones tinham todos o tipos de percussões, guitarras e baterias, e soavam bem. Acho que a boa música não está atingindo o povo. O pop é ruim."

Green Day tem sido muito bem sucedido com American Idiot, falando mal de Bush. Por que as músicas do Red Hot Chili Peppers não falam sobre política?

"Eu não sou interessado em política. Anthony e Flea são, mas eles não querem que suas idéias políticas façam parte da música que fazemos. É bom que as pessoas estejam preocupadas com o que está acontecendo ao redor, mas isso não funciona para mim. Quando as pessoas vêm e me perguntam sobre como podemos fazer para ser tão bons com o tempo eu posso dizer que o meu método é, como quando eu estava gravando Californication, assistir a filmes dos anos 40, os mesmos que Hendrix e John Lennon viram. Eu não assisto TV, eu não ouço o rádio. Se eu sempre ficar ouvindo as notícias, eu vou ser igual a quem a causou."

Anthony Kiedis já escreveu sua autobiografia, você vai escrever a sua?

"Eu escrevo muito, tenho as minhas coisas no computador, talvez em cinco anos eu vou dedicar mais tempo... Mas até agora eu ainda estou no processo de compreender quais dos meus pensamentos são verdadeiros. Eu não acho que vou escrever qualquer autobiografia, a não ser se eu conseguir alguma claridade interna. Algumas coisas incríveis aconteceram comigo, mas eu não consigo recordá-las de forma suficientemente clara para escrevê-lo. Ainda não. Todo dia eu gasto uma hora meditando e sempre quando leio algo que eu escrevi eu tento esclarecer o meu pensamento."

Frusciante diz que além de tocar músicas e cantá-las, a escrita é outra coisa que ele ama. Ele até já tem 17 canções para seu novo álbum solo, a coisa mais pessoal que ele jamais tenha escrito e ele está certo de que ele estará gravando em um ano.

"Às vezes eu escrevo para me esconder. Eu acho que é a primeira vez que eu tentei quebrar as paredes internas. Se você é meu amigo, eu quero te mostrar como sou realmente. Não foi sempre assim comigo."

Seu assistente interrompe para informar que a entrevista tinha terminado, mas ele não consegue tirá-la de seus pensamentos.

"Aprendi muito com a minha namorada, ela está me ensinando a ter, pela primeira vez na minha vida, um bom relacionamento com uma mulher. Ela tem um efeito muito bom na minha música."


Tradução: Felipe Marcarini
Fonte: Clarín (Argentina) - 04 de abril de 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário