29 de junho de 2020

Entrevista de John Frusciante para a Ele-king - Junho de 2020 (PT/BR)


Para muitos, mesmo depois de deixar a banda, ele era “John Frusciante do Red Hot Chili Peppers”, conhecida pela obra prima Californication. Ele foi o guitarrista que trouxe lirismo à banda. Por isso a noticia de seu retorno para a banda, anunciada no final do ano passado, foi recebida com entusiasmo pelos antigos fãs, e como membro de uma banda, quero vê-lo tocar guitarra novamente.

Mas o ouvinte que tem seguido sua carreira solo sabe que Frusciante é ótimo fazendo musica eletrônica. Em seus últimos trabalhos solo introduziu alguns elementos eletrônicos, mas desde que passou a usar o nome Trickfinger se concentra em musica eletrônica como Acid House e IDM. Sua musica eletrônica não é inovadora, mas é elaborada e o lirismo é maravilhoso

No álbum She Smiles Because She Presses The Button, álbum recém lançado sob o nome de Trickfinger, o primeiro em três anos, mostra suas forças. Tem um estilo IDM, tem faixas com elementos jungles que aparecem no caminho e tem um melodioso acid house. Dá para perceber que foi feito com cuidado. Padrões de ritmo e arranjos detalhados que soam mais sofisticados do que nunca, resultado de esforços constantes. Como guitarrista e produtor de musica eletrônica, sua atitude estoica criou sua personalidade.

Apesar de fazer considerações acadêmicas sobre musica eletrônica, fala bem e com afeto, especialmente sobre Autechre e sobre musica eletrônica. Acabou tornando-se uma entrevista. Como é possível ver no texto, também há um disco solo, mais próximo ao jungle  segundo ele mesmo. Então esperamos não apenas pelo disco com o Red Hot Chili Peppers mas também por esse.




Em meados de 2000 acho que foi realmente iniciada sua produção de música eletrônica. Naquela época, você também reagiu ao tratamento de estrela do rock nos palcos da banda?

"Eu amo música eletrônica há muito tempo e o eletrônico era minha música favorita quando escrevi Californication no Red Hot Chili Peppers. Fiquei fascinado por samples, baterias eletrônicas, sintetizadores e outras coisas, e brinquei com isso, mas por volta de 2007 descobri equipamentos no início dos anos 80 e percebi que se encaixam bem pra mim ou que me convém. 303, 909, 707. Eu percebi então que podia gravar muitos equipamentos de uma só vez através de um mixer, e a partir dele gravar em um gravador de cassetes ou CD... sabia que era possível fazer música sem fazer overdubs. Eu estava acostumado a fazer overdubs em quatro canais, então me lembro de estar muito empolgado por poder fazer uma música de cada vez em estéreo e a música que fiz sem os overdubs vindos do estéreo. Finalmente entendi o que estava ouvindo. Portanto, pode ser o começo de Trickfinger. O álbum foi gravado em 2018 e possui um gravador de CD semelhante, embora não seja exatamente o mesmo equipamento que o anterior, mas sincronizado com um pequeno mixer Mackie. A musicalidade é diferente do trabalho anterior, e usei mais equipamentos. Eu acho que existem quatro ou menos canais dessa vez. Na última música, "Sea YX6", é usada apenas uma bateria RY30, apenas no sintetizador DX100. Então este é o número mínimo nesta música. Outras músicas usam em média três, quatro ou mais equipamentos. Os Elektron Monomachines, Analog Four, and Analog Rhythm (sintetizadores) são todos muito poderosos. Então eu usei a bateria eletrônica Yamaha RY30 e a bateria analógica Four. Ah! Apenas em uma música usei a bateria eletrônica Roland 606. Plane.

Eu fiz música eletrônica de várias maneiras. Mas fazer isso ao vivo foi muito divertido. O desafio era tornar o máximo possível com alguns equipamentos, mas eu gostei do desafio. Concluir uma música com uma bateria eletrônica na última música foi muito gratificante, eu aprendi muito e também descobri o quão bom o equipamento era. Portanto, não é uma reação a ser tratado como uma estrela do rock pela banda, mas quero ser livre em minha mente e criativo, por isso quero seguir o que me interessa. A partir de 2007, eu queria muito ser um engenheiro, eu queria fazer minha própria música, não queria continuar fazendo rock, decidi fazer essa música fazendo-as. Consegui."




Na época em que começou a produzir música eletrônica, você tinha a música eletrônica expressa como "preciso aprender". Você ainda sente vontade de "aprender" música eletrônica? Ou agora é algo um pouco diferente?

"E mantenho uma atitude de “aprendizado” não apenas para a música eletrônica, mas para a música em geral. Embora tenha feito música com o Red Hot Chili Peppers, toco guitarra enquanto ouço os discos e CDs que gosto. Memorizo o que outros músicos fizeram nos anos 60 e 70. Ao fazer isso, você pode escrever uma música e descobrir qual estilo de música deseja criar. Então, para mim, saber o que os outros fizeram no passado pode me ajudar a crescer, e fazer música e aprender é a mesma coisa.

Então com a música eletrônica é a igual, eu aprendi muito com Venetian Snares e fiz muitas músicas que não lancei nos últimos 12 anos. Eu tinha muito a aprender trabalhando com ele. Nós fizemos muitas músicas, gravamos em estéreo direto da execução, usamos muitos equipamentos ao mesmo tempo e mixamos. Eu aprendi muito dessa maneira. Além disso, sempre presto atenção à história da música eletrônica, porque é a música que mais me interessa, e posso descobrir como fazê-lo ouvindo os trabalhos de outras pessoas. Eu acho que a música começa com imitação. Penso que, seguindo o que outra pessoa fez, posso chegar mais longe.

Tem uma personalidade muito boa, é apreciada por pessoas e, quando você toca um instrumento, pode expressar sua humanidade. Todo mundo é atraído por esse tipo de pessoa. Eu não sou desse tipo. Eu realmente tenho que me esforçar bastante e preciso ativar as partes criativas da minha cabeça, ter flexibilidade e girar a cabeça rapidamente. Eu sempre tenho que me inspirar em alguma coisa. Quando eu era adolescente, um dos meus amigos era um tipo de pessoa que podia fazer grandes coisas imediatamente sem praticar. Tão cedo eu percebi que, para fazer música que as pessoas gostassem, eu tive que me esforçar muito. Quer as pessoas gostem ou não, eu apenas tenho que trabalhar duro."



Em que medida você sente que as músicas de Trickfinger refletem sua personalidade?

"Refletem minha personalidade! Como eu disse, a primeira coisa a fazer é ouvir o que os outros estão fazendo. Para este álbum, "Noice" foi inspirado pelo produtor de bateria e baixo AMIT. Ele é meio drum and bass. Gostei da ideia e experimentei apenas com o R-130. Além disso, usando dois outros equipamentos. Esse ritmo foi inspirado por ele. Em "Sea YX6" usei RY30, li em uma entrevista que Autechre usou apenas RY30 e também Toka fala muito com relação sobre usar apenas um único equipamento. Essa ideia me inspirou em "Brise" usei o Analog Four e o Analog Rhythm da Elektron. Eu acho que essas são maneiras divertidas de simplificar a música. Estou empolgado porque estou programando o equipamento e não sei o que sairá deles na próxima vez. A melodia muda com o ritmo todas as vezes, e a bateria e a melodia são generativas em "Brise". A melodia de "Plane" também é generativa, "Amb" tem melodia e linha de baixo, e "Rhyme Four" tem uma melodia única. Portanto, coisas aleatórias sairão dependendo do tempo e do caso. Especialmente "Plane" e "Brise". A música generativa é especialmente influenciada por Mark Fel. "Brise" é o SND dele e o grupo em que ele fazia parte foi inspirador para o que eu estava fazendo. Quando ouço o som, sinto que estou me comunicando com o equipamento, em vez de comandá-lo. Então você ficará surpreso com os resultados disso. Esse processo é divertido. 

Acho que é tudo como eu! Eu acho que todo o senso de melodia e ritmo é meu. O idioma que você usa aqui - o uso e a programação de todos os equipamentos são definitivamente influenciados por outros. É o mesmo quando estou tocando guitarra. Minha guitarra é como se fosse eu mesmo, mas estou tentando imitar alguém."




Quando você gravou as musicas de She Smiles Because She Presses The Button?

"Eu gravei em 2018. A história das músicas que gravei é um pouco misteriosa. Vou tentar responder da forma mais sucinta possível. Houve momentos em que não fiz muita música por alguns anos. Por volta de 2015. Eu não morava na minha casa principal, morava em um lugar diferente. Então, depois de voltar para minha casa principal, montei um estúdio e comecei a me aproximar da música de uma maneira que nunca havia feito antes. Eu não me importei se não foi bem feito. Decidi não me preocupar se o resultado não fosse bom. Não importava o que eu fazia. Eu apenas me desafie a chegar num lugar mais alto. Eu tentei algo que não havia feito com o equipamento que tinha e fiz novas descobertas. Me concentrei no que era mais importante na criação de música, e continuei fazendo isso por um ano, enquanto o objetivo não era completar uma música ou um álbum.

Então, o que está saindo agora e saíra em setembro é o resultado de passar um ano inteiro escrevendo músicas. Produzi muito lixo, mas aprendi muito com ele. Antes, eu nem sabia como usar os sintetizadores FM DX7 e DX100. Então, aprendi como usá-lo naquela época. Também trabalhei duro para dominar o Analog Four e o Analog Rhythm. Eu experimentei o que posso fazer com esses equipamentos.

É estranho que eu pudesse suportar uma música tão terrível e não poderia ser ajudada (risos). Mas estou cansado de continuar desejando bons resultados. Eu não fiz overdub no estúdio ou na sala de estar. Eu nunca programei uma bateria eletrônica a partir de um computador. Eu faço isso na própria bateria eletrônica. Enfim, eu parei de apertar meu pescoço. Por fim, decidi que queria a música que gostaria de ouvir. Mas por ter sido preguiçoso, pensei: "Não posso fazer isso. Vamos fazer uma música com um ponto de partida, um ponto intermediário e um ponto final em mente". Algumas músicas lancei desta vez e outras que serão lançadas em setembro."




Qual a relação entre o álbum Look Down, See Us lançado antes e esse (She Smiles Because She Presses The Button)?

"'Look Down, See Us' foi criado alguns meses antes de ser lançado. Então minhas músicas mais recentes estão nesse álbum. Foi feito em um grande estúdio. Existem mais equipamentos e computadores. É por isso que fiz algo diferente do que foi lançado em setembro. Foi um ano aderindo a essa selva, então em 2019 decidi me desafiar com uma abordagem e flexibilidade diferentes. Divirta-se e não siga apenas o mesmo padrão. Look Down, See Us é algo que tentei ir a vários lugares e depois a novos lugares."

Os álbuns são lançados com o selo Acid Test que tem compromisso com 303, ou lançam o álbum no sub-selo Avenue66, o que significa? 

"Sim, Acid Test é um selo ligado a 303, então só lança musicas que usam 303. Eu não estou usando 303 dessa vez, por isso estou ligado a Avenue 66."

O titulo do álbum parece que expressa a alegria de fazer musica eletrônica. Por que She (ela)?

"Eu gosto de apertar botões e fazer musica. Mas para ser honesto, a foto de Aura T-09 (Marcia Pinna) aparece na tela de login do meu computador. E ela está sorrindo tentando apertar o botão da câmera. Então quando eu disse que ela estava sorrindo e tentando apertar um botão ela disse “é um bom nome para álbum”(risos). "




A primeira música "Amp" é muito melódica. Como você entende os elementos melódicos na musica eletrônica?


"Não é como fazer uma melodia para música pop. Até rock. Seja pop ou rock (a melodia), é o elemento principal da música e o resto está em sintonia com a melodia, mas na música eletrônica, a bateria lidera, a melodia acompanha a bateria, parece tão simples para mim. Então eu tive que criar uma melodia delicada ao longo do caminho. Quando eu comecei a música eletrônica, ela saiu com um refrão. Eu estava tentando programar com o MPC3000 e estava preocupado com uma parte enferrujada no caminho. Suponho que estava acostumado a esse tipo de escrita. Então, eu aprendi a escrever melodias mais rítmicas e delicadas. Então pensei em como abordar a melodia de várias maneiras. Na música pop, o objetivo é criar melodias cativantes, mas na música eletrônica a melodia pode desempenhar vários papéis. A melodia pode ser meio efeito sonoro, meio melodia e, se você acha que foi uma nota, o som que você ouve a seguir é mais um efeito sonoro do que uma nota. Poderia ser harmonia ou qualquer som, não apenas um. A partir daí, você entenderá como adaptar o conceito de som. Como uma história tranquila. Então, acho que demorei muito tempo para desenvolver isso. 

Quando Aaron Funk e eu fazemos música, eu geralmente sou responsável pela bateria e pela melodia, ele é responsável pela bateria, e às vezes eu toco baixo. Às vezes, eu faço uma melodia que soa como uma bateria, ou ele faz uma melodia com uma pequena bateria eletrônica. Mas para mim ele é um dos melhores bateristas do mundo, então eu até pensei em uma melodia para apoiar sua bateria. Pode-se dizer que teve uma grande influência. Eu nunca tive esse tipo de interação com ninguém. Quando estou no Red Hot Chili Peppers, a bateria é feita de acordo com a melodia, a guitarra e o baixo. Então, há um baterista que assume a liderança, e eu sou uma melodia, mas apoiar essa bateria mudou a maneira como percebo os elementos da melodia. Como eu me concentro nos sons ao produzir melodias e fazer melodias no meu equipamento, acho que a melodia é mais sobre o som que existe para aquele som. Então, passo muito tempo fazendo sons com equipamentos digitais. Encontro o que corresponde ao som. Não por causa de C ou D ou por E. Se você emitir um bom som e não encontrar o que estava lá, você o estragará. Não é como tocar guitarra."




"Noice" é uma faixa com uma impressionante sobreposição de padrões de ritmo repetidos e samples vocais. Há um clima como uma rave, e eu sinto que o álbum tem uma personalidade diferente, qual é a diferença dessa musica?

"Tudo começou com noise music. Eu gosto de artistas como Pita e o Farmers Manual. Gosto de coisas que não se concentram no ritmo ou na melodia. Eu apenas gosto do som. Então, eu coloquei uma música no meu SoundCloud, chamada "A3t1ip". Brinquei com Pita e A3. Então, essa música começou com noise music e, no estilo meio drum and bass de que eu falei, adicionei uma camada de volume ao ruído. Então, no começo, parece que o volume está subindo. Originalmente, era uma combinação de diferentes ruídos musicais. Samples vocais são adicionadas no final. O último é um som de bateria eletrônica muito artificial, parece um robô. Mas é uma batida clássica de James Brown. Essa ideia veio do artista de música trance Komakino. Especificamente, um sample de voz da música "Outface (G60 Mix)" no EP "Energy Trance Mission" diz: "Me dê uma merda de breakbeats!", é um ritmo que não começa no Breakbeats. É um som muito artificial. Isso me inspirou. Existem milhares de samples para escolher ao fazê-las em um computador, mas não ao usar equipamentos antigos. É a maneira que combina com esse som. Eu sou basicamente um fã de música de samples e gosto de samples com vocais femininos. É totalmente diferente de um cantor participando. Como os vocais de samples são usados ​​no equipamento, ninguém está cantando a música. Não sei como o vocal será usado. Eu realmente gosto desse som."




Apesar de ter partes com um padrão rítmico bem simples, se ouvirmos com atenção da para perceber que uma programação detalhada e complexa foi feita. Ouvi que demora muito tempo para programar o ritmo, você fez o ritmo nesse álbum também? Ou agora é mais rápido do que antes?

"É bem mais rápido do que antes, mas tem vezes que você se beneficia de passar um tempo programando. Eu preparo todo o equipamento antes, porém, os outros artistas de música eletrônica podem fazer mais rápido, ou levar o equipamento para qualquer lugar e fazer musica em 5 minutos, mas eu fiz assim. Eu começo do zero. Todas as musicas gravadas nesse trabalho usaram diferentes equipamentos, e cada música tem um setup diferente. Quando eu estava fazendo Maya (o álbum que será anunciado em breve), eu passei algumas semanas fazendo as batidas, os sons DX7, fazendo cada elemento, e finalmente fiz a musica. Eu estava tentando segurar isso. Mas não sei como será feito, só sei o andamento. Algumas semanas... Não, talvez mais de um mês, eu estava fazendo apenas breakbeats e sons DX7. Isso é alegre. Quando faço música , eu não quero terminar logo. Eu me satisfaço apenas de fazer sons com o DX7. Também quando faço breakbeats. Também é divertido quando tento vários efeitos digitais. Uma vez que isso termina, você está pronto para fazer a música. Mesmo que eu faça esse preparo antes, demora uma semana. As vezes não uso o que fiz, o tempo é as vezes é pouco produtivo, mas é um momento muito feliz. Mas voltando a história, como disse, tem um ano que estou na fase de produção. Sempre que faço musica com Aaron Funk fico pressionado. Eu acho que tenho que programar tão rápido quanto ele. Mas felizmente ele se prepara. Para programar ele demora tanto quanto eu. Demorei alguns anos para conseguir acompanha-lo e a principio pensava que eu o deixava esperando. Mas fazendo isso nós dois passamos a programar por três ou quatro dias, e depois começamos a gravar. Então é mais rápido, mas eu gosto de gastar tempo. Essa é a resposta a questão (risos)."




Eu acho que você tem um interesse genuíno pelo acid house e pelo techno por muito tempo, você tem saudades da cultura rave dos anos 80 e 90?

"Sobre música eletrônica, talvez do começo dos anos 90. No fim dos anos 90 e começo de 2000. Você tem um sentimento por esses tempos? Quando se trata de cultura rave, o que você mais gosta do final dos anos 2000?  Minha namorada promoveu raves por muitos anos em LA, e até promoveu uma festa em um armazém. Ela se interessava muito por novas músicas. Nos conhecemos em 2009 ou 2010, e ela me ensinou sobre rave antes de namorarmos. Eu tinha um amigo que adorava rave, mas eu não me interessava muito até 2008. Isso mudou nos últimos 12 anos. E desde então eu tenho me interessado, mas quando minha música favorita de rave surgiu nos anos 90, eu era dependente químico, nem tanto (risos). Eu não ia em lugar nenhum. Em termos de gênero eu gosto de jungle. Eu tenho um álbum para lançar em setembro que é jungle. Eu fiz isso no computador, diferente do que eu acabei de fazer. O de setembro fiz com Renoise e vários outros equipamentos. DX7. Então pra mim é jungle, IDM. Inspirado em jungle, mas é único. Acho que é mais IDM que jungle, mas fui influenciado por jungle e é meu estilo musical favorito. Também gosto de musica house ghetto. DJ Deon do selo Chicago Dance Mania. Eu gosto do DJ Funk e Paul Johnson pela música eletrônica simples. IDM, Aphex Twin, Venetian Snares, Outotea, Square Pusher e por ai vai. Eu fui influenciado por eles desde quando conheci por volta de 1999 e são meus artistas favoritos. No mesmo gênero gosto de footwork, gosto do DJ Rashad. Graças a Marcia, eu conheci DJ Rashad antes de footwork ser conhecido no mundo todo e antes de entrar para o Planet Mu.

Nos últimos 10 anos eu também tenho gostado da musica de Belial. A abordagem dele é muito inspiradora e a musica é fascinante. Então gosto de Techno, jungle e drum and bass. Gosto de todos os estilos de house. Gosto do começo de dubstep. Mas especialmente jungle e breakbeat hardcore. Então tudo que lançamos no Planet Mu em setembro é muito bom. Esse trabalho (She Smiles Because She Presses The Button) foi feito totalmente com baterias eletrônicas. Para o de setembro, eu usei baterias eletrônicas mas principalmente breakbeats, bem rápido."




Você disse que tem pensado sobre inteligência artificial (IA) por um tempo, mas qual você acha que é a medida em que podemos separar música feita por IA da música feita por humanos, agora que IA está mais desenvolvida?

"Quando se fala de gênero, musica generativa é semelhante a musica feita por IA, mas estritamente falando, não é uma música criada pela IA. Alguém disse uma vez que a música criada pela IA só poderia ser generativa. Um dos elementos musicas que deve ser lembrado é a restrição. Alguém tem que programar as restrições previamente. Música generativa nasce da programação de computadores. Então eu não sei dizer a diferença entre música generativa e musica IA. Computadores precisam ser programados por humanos, e eles precisam ser capazes de fazer vários cálculos, seleções e julgamentos, mas isso está dentro do escopo da programação humana. Eu não acho isso importante. Uma coleção de 10 CDs lançada por Auteka alguns anos atrás (correção, é uma coleção de 8 CDs e 12 LPs), aquela música deveria ter sido produzida por uma programação que fizemos. É uma programação que fiz ao longo dos anos. Eu penso que aquele programa pode fazer música em um curto tempo. Tudo que surge quando você aperta um botão é um programa que produz um som. Então não se sabe o que sairá, mas podemos controlar enquanto o computador esta sendo programado. Nesse momento você pode omitir o que você não precisa e ampliar o que precisa. Apesar de poder ser manipulado quando começa a tocar, quando programado significa que ele pode tocar enquanto a humanidade sobreviver. Nesse sentido isso é o mais próximo de musica IA. É mais importante programar o que não se pode fazer do que o que se pode. É mais importante limitar o que o computador pode fazer então de novo, eu não sei a diferença entre musica generativa e musica IA. E para fazer música é mais importante colocar restrições do que liberdade. Você tem liberdade mas com limites."




Trickfinger parece um projeto focado em musica eletrônica. Alguma possibilidade de fundir com o guitarrista e produtor no futuro?

"Inicialmente, eu gostaria de separar os nomes dos artistas, mas o álbum que lançarei em setembro é John Frusciante. Trickfinger nem sempre é o nome quando se trata de música eletrônica, pois já lancei música eletrônica em meu nome do passado. É claro que Trickfinger é apenas instrumental e, se eu não tocasse guitarra, não teria vocal. Não sei quantas pessoas sabem, mas o álbum Enclosure que eu coloquei em meu nome, é uma fusão de vocais, guitarra e música eletrônica. É por isso que sou músico eletrônico, compositor, guitarrista e cantor. Eu amo álbuns assim, mas as pessoas que amam música eletrônica dizem que é muito pop, e as pessoas que gostam de rock dizem que é música eletrônica demais. Naquela época, eu queria criar algo que me desafiasse, independentemente do que as pessoas pensassem da minha música. Meu conceito era escrever uma boa música e destruí-la. Eu estava tocando o acorde, torcendo-o e fazendo uma melodia vocal semelhante, mesmo que não se encaixasse. Gostei da parte em que centenas de pessoas podem gostar, mesmo que não seja algo que todos aceitassem. Mesmo se você criar algo estranho, as pessoas vão gostar. Ao mesmo tempo, estou gostando da diversão de voltar ao Red Hot Chili Peppers e fazer músicas amadas por muitas pessoas. Este é outro assunto, no entanto. A grande diferença entre a música que fazemos no Red Hot Chili Peppers e meu projeto solo é a parte da engenharia. Sou engenheiro há 13 anos, por isso não estou particularmente interessado em gravar uma guitarra ou fazer qualquer coisa. Eu tenho usado os sintetizadores que o Red Hot Chili Peppers usou no final dos anos 90 e 2000. Mas quando toco música eletrônica, não consigo tocar guitarra ou vocal. Quando escrevo uma música com guitarra, concentro-me no que posso fazer com um baixo, uma bateria e um cantor.

Eu ainda estou ensaiando. Após os ensaios e quando não ensaio nos fins de semana, sempre toco bateria eletrônica. Gostaria de saber se posso fazer uma boa música instrumental. É a minha música favorita. Portanto, acho que não vou fazer um álbum como fiz com o Enclosure ou PDX. Não posso dizer, mas este álbum e os álbuns do Planet Mu não têm guitarras nem músicas. Eu gosto de me expressar assim. Originalmente, eu era fã de soul e funk antigos nos anos 60 e 70 e era um grande fã de samples, mas tenho estudado mais e tocado guitarra com ritmo e bom gosto. Então, minha guitarra tocando no Red Hot Chili Peppers tem uma grande influência deles, e acho que praticar guitarra também produziu melhorias na música eletrônica. Eu não tenho escrito músicas na guitarra nos últimos anos, então apenas pratiquei. Mas acho que também teve um efeito positivo na música eletrônica."




Acabei de falar sobre isso, mas foi anunciado seu retorno ao Red Hot Chili Peppers e, embora não seja possível fazer shows agora por causa da uma pandemia, acho que as atividades da banda se tornarão mais ativas no futuro. No entanto, você pode continuar fazendo músicas solo, certo?

"Certo. Voltei para a banda porque sabia que poderia continuar fazendo música eletrônica e tenho espaço para continuar. Eu estava planejando fazer um show ao vivo no verão, mas tudo foi adiado para o próximo ano. Portanto, espero que as atividades ao vivo do Red Hot Chili Peppers sejam realizadas no próximo verão. Estou trabalhando em uma música agora. O objetivo é entrar no estúdio e trabalhar em um álbum até o final do ano, ou terminar o álbum. É a composição começou assim que eu voltei, para que novas músicas pudessem ser lançadas. Faço música eletrônica desde que voltei ao Japão como membro da banda em 1998, então estou feliz por ter tempo. Como músico de rock e como músico eletrônico, quero me expressar de duas maneiras e ser livre. O álbum Maya que será lançado em setembro é o nome do minha gata. Ela teve câncer no ano passado e morreu recentemente... eu a tive desde de antes de começar a trabalhar no Stadium Arcadium do Red Hot Chili Peppers e desde então ela sempre esteve ao meu lado quando eu fazia música, ouvia e praticava. Então, eu queria colocar o nome dela no título do álbum."




Tradução: Eloá Otrenti - Frusciante Brasil
Fonte: Ele-king (Tsuyoshi Kizu) - 26 de junho de 2020 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...