13 de janeiro de 2018

A entrada de John Frusciante aos Red Hot Chili Peppers


Anthony Kiedis descreve no An Oral/Visual History como John Frusciante entrou no Red Hot Chili Peppers em novembro de 1988.

"Conheci John num quintal durante um churrasco. D.H Peligro o apreentou para nós. Ele dizia "vocês têm que ouvir esse garoto. Ele é um adolescente, um priodígio e ama loucamente os Red Hot Chili Peppers, além de saber tocar todas as suas músicas em vários instrumentos."






Eu pensei: Ora, isso é maravilhoso. Alguém capaz de tocar todo o nosso som e gostar de nós o suficiente para aprender a tudo isso. Nós conhecemos nesta festa e batemos um papo legal. Eu o achei um cara legal, mas ainda não tinha o visto tocar. Flea e ele haviam feito algumas jams em seu apartamento, só os dois. Eles gravaram um pouco daquilo pra mim e acho que fizeram assim por causa da situação com Blackbird. Flea disse: "é estranho, porquê nós já temos um guitarrista, mas esse garoto se parece mais conosco". Flea me mostrou o som que havia feio com John dizendo "aah, vamos fazer o que é preciso fazer". Nós não ainda não tínhamos demitido Blackbird, mas já estávamos andando com John um pouco.

John disse que tinha um teste com Thelonius Monster. Eu disse "Ok, eu te dou uma carona até lá". Eu leve John até garagem de Bob Forest. John chegou lá e arrasou no teste. Eu pensei: "Eu não posso deixar ele se juntar ao Thelonius Monster. Ele é o nosso guitarrista. Eu tenho que intervir nisto agora! Nós temos que pegar esse garoto para nós. Eu odeio fazer isso com com Bob, mas eu não poderia deixar John escapar."






De alguma forma, Bob sabia que John foi feito pra tocar no Red Hot Chili Peppers. Bob provavelmente estava puto e frustrado porque estávamos roubando o que poderia ser um grande guitarrista, mas, ao mesmo tempo, eu sentia que havia um entendimento oculto de: "eu entendo, ele é o cara certo para vocês". Bob é generoso, eis que sabia que Blackbird tinha que sair do Red Hot Chili Peppers.

Flea e eu tinha passados por muitas contratações e demissões desde Jack Sherman e agora era minha vez de fazê-la. Liguei para Blackbird, expliquei calmamente que as coisas não estavam dando certo com ele na banda, mas ele acabou levando pro lado pessoa. "Anthony, seus filho da puta! Eu vou queimar a sua casa"."
An Oral/Visual History - págs. 48-49




Tradução: Lucas Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário