8 de janeiro de 2018

Eu peidei na cara de Marilyn Manson - Fevereiro de 2001

Discutindo os melhores guitarristas de rock você mais cedo ou mais tarde menciona John Frusciante. Os dois álbuns de maior sucesso do Red Hot Chili Peppers, Blood Sugar Sex Magik de 1991 e Californication de 1999, são devido a suas habilidades. Há poucos dias, o terceiro álbum solo de Frusciante foi lançado.

Razão suficiente para o LAUT atender o guitarrista dos Peppers no Hamburg Hotel para uma entrevista. Em uma reunião descontraída, ele fala sobre fazer música com e sem os seus colegas de banda, a importância da música eletrônica, a sua relação com Eminem e Marilyn Manson e sobre bandas alemã que são apenas marginalmente conhecidas, até mesmo por freaks daqui. Na noite anterior à entrevista, Frusciante fez um show no Prinzenbar.




John, você já fez três shows individuais na Europa. Como é a sensação de estar no palco sem os Chili Peppers?
"Quando eu estou sozinho no palco, é algo completamente diferente em comparação com os shows do Chili Peppers. Eu amo tocar minhas músicas na guitarra. Quando eu componho uma musica nova, eu não estou tocando apenas aos meus amigos da banda. Todos os meus amigos vão começar a ouvi-la, não importa onde eu estou. Isto pode ser na minha casa ou em um ônibus de turismo, simplesmente todos os lugares. E todos eles gostam das minhas musicas.

Quando estou em turnê com minha carreira solo, estou pensando sobre esse tipo de show. Ele não pode ser comparado com a sensação de entrar no palco com os Chili Peppers. Lá, uma enorme energia aparece só quando estamos juntos. Ninguém se sente responsável pelo outro, somos só nós quatro tocando juntos. Mas quando eu toco minhas próprias músicas para as pessoas, eu sinto uma energia que eu mesmo comecei com a minha vida."

Por que você faz tão poucos shows solo? Como temos ouvido, o Red Hot Chili Peppers já estão esperando por você no estúdio...
"Bem, isso é certo. Eu tenho que estar de volta em um determinado tempo pois o Red Hot Chili Peppers têm um show marcado em Los Angeles e também estamos começando a gravar nosso próximo álbum."

Então você gostaria de fazer mais shows.
"Claro. Eu realmente gostei de fazer os últimos dois shows e eu não posso esperar para o próximo. Há mais um show em Paris e um em Amsterdã. Em março é Nova York, porque o Red Hot Chili Peppers tem coisas pra fazer lá, e depois é Los Angeles. Bem, eu realmente gostaria de fazer mais shows, mas ao mesmo tempo eu estou ansioso para trabalhar mais no próximo álbum do Red Hot Chili Peppers."

O que fazer música com seus amigos significa para você?
"O momento em que eu estava trabalhando em novas musicas para a banda todo dia foi o melhor momento da minha vida. Minha única razão para estar aqui é acordar de manhã, ouvir música e tocar bem meu violão as músicas pelas quais eu quero ser influenciado. Se me acontecer de ter idéias, pego meu gravador. Isso é o que me faz feliz. Eu acho que os dois mais belos momentos da minha vida foram as sessões de gravação de Blood Sugar Sex Magik e Californication. É por isso que eu estou realmente ansioso para gravar novamente."

Qual a importância para você dos seus amigos gostarem da sua música?
"Ah, sim, meus amigos adoram."

Seus colegas de banda também?
"Eu não tenho certeza sobre Chad, eu nunca lhe mostrei nenhuma das minhas musicas. Mas Flea e Anthony adoram a minha música. (Ele pensa por alguns instantes...) Bem, quando este álbum solo foi lançado, eu já havia gravado dois CDs que não tinham sido lançados, então eu não conto essas duas gravações. Essas gravações foram feitas em 1999, durante todo o ano anterior que eu comecei a compor as músicas para o meu novo álbum. Eu fiz e distribui entre meus amigos. Agora eu quero lançar essas musicas antigas como b-sides, como o bônus de quatro faixas do meu novo single "Going Inside". Assim, pouco a pouco estou espalhando o material velho, porque ele é bom. (risos)"

Agora de volta ao seu novo álbum: Especialmente as faixas instrumentais "Ramparts" e "Murderers" tem uma atmosfera que me lembram sua maneira de tocar guitarra em "Californication". Que critérios você usa pra decidir que uma música, por exemplo, se torne uma musica para o Chili Peppers?
"Eu gravei meu novo álbum, durante a turnê de Californication. Além de mim, ninguém está interessado em gravar músicas durante a turnê. "Ramparts" e "Murderers" foram escritas em março de 2000 e se eu quisesse reservar uma das musicas para o Chili Peppers, eu ainda estaria esperando até hoje...

No entanto, existe uma musica para o Peppers que eu fiz na minha bateria eletrônica. De alguma maneira eu tinha começado a ideia de linhas de surf music inglês de guitarra estilo The Ventures e The Shadows com techno de base. Anthony gostou de uma das minhas gravações e queria fazer uma musica com ela. Eu também, ok, se você acha que pode cantar junto com ela, então eu não vou lançá-la."




Então não há conflitos musicais?
"Não, não... Anthony e Flea me apoiam sempre que podem. Se eu digo pra eles que eu quero promover o meu trabalho solo para os próximos cinco meses, dizem: "OK, faça isso enquanto isso te fazer feliz". Mas, é claro, eles ficam contentes que eu não faço isso."

Quanto à instrumentação do álbum foi dito que você estava influenciado, principalmente, por New Order e Depeche Mode. Essas bandas são os seus favoritos da mesma maneira como Syd Barrett, David Bowie e Jimi Hendrix?
"Sim, isso é o mesmo para mim. Eu acho que em cada período de tempo existem as mesmas energias que tornam possível a criação de uma boa música. Mas tudo isso é uma questão de ser imparcial, no sentido de tal forma que você vê que essas energias assumem diferentes formas em diferentes períodos de tempo. Para mim essas energias que uma vez foram usadas por Jimi Hendrix para criar novos sons são as mesmas energias que vieram depois quando o Depeche Mode gravou Violator, um álbum que soa como nenhum outro álbum de rock antes. Bem, você sabe, houve um tempo na minha vida quando eu era criança que eu pensava: A melhor musica foi feita nos anos 60. Mas eu não penso desta maneira mais. Quanto mais eu me abri para todas as variedades de música eletrônica dos últimos 20 anos, eu percebia cada vez mais que algumas dessas coisas são, no mínimo, tão orientadoras emocionantes como a música de antes."

Durante seu show ontem à noite que você mencionou que o guitarrista Michael Rother é uma inspiração para você. O que a música alemã significa para você?
"Oh, bem, música alemã, juntamente com algumas outras coisas, será um novo elemento do próximo álbum do Red Hot Chili Peppers. Todos nós amamos Neu!, Can, Harmonia e Cluster. E sim, Kraftwerk definitivamente é uma das favoritas de Flea e eu. Mas primeiro, todos nós cavamos Neu! onde Michael Rother tocava guitarra. Essa banda mostrou o jeito de misturar tudo que você ouve e que também pode influenciá-lo. Os ritmos e as estruturas do dub e techno também vão desempenhar um papel importante no próximo álbum. Claro que isso vai soar como um som que os quatro gostem.

No entanto, penso que somos capazes de criar um som semelhante em multicamadas com nossos instrumentos como você pode encontrar em algum dos materiais electrônicos. No tempo da gravação de Californication, ouvimos bastante Tricky, Portishead e Björk e tentamos, de propósito, criar uma atmosfera original. Mas o próximo álbum vai ser influenciado por mais do que apenas trip hop."

Após um período tão difícil como você passou, parece quase inacreditável para nós o alcance desse sucesso tão grande como o de Californication. Sente-se privilegiado?
"Sim, muito. Para arrancar a partir de algo parecido com o que eu tinha chegado é uma coisa que eu não posso tomar responsabilidade. Alguns poderes no universo lá fora, devem realmente me amar. Eu sei que um monte de poderes invisíveis estão lutando por mim. Tudo o que posso fazer é agradecer a eles todos os dias, fazendo a melhor música que eu sou capaz."

Talvez você saiba que Eminem e Marilyn Manson também estão em Hamburgo no momento. Você conhece algum deles?
"(Hesita) Bem, eu não conheço Eminem muito bem, mas eu conheci Marilyn Manson. Eu sempre senti uma forte aversão por ele desde que ele escreveu coisas ruins sobre The Smiths, em seu livro. Isso não é porque eu não goste dele, é porque eu amo The Smiths. Mas, você sabe, um monte de bons amigos meus também são amigos dele, assim como o diabo. Eu não tenho nada contra ele, eu apenas tento ser amigável desde que eu peidei em sua cara uma vez durante uma entrevista...(risos). Isso foi a anos atrás, eu acho que foi provavelmente para uma fanzine na Flórida e iam entrevistar Anthony, Flea e eu para a zine. Eu devia ter 18 anos na época, eu não lembro, mas em algum momento eu devo ter peidado na cara dele... (todos riem). Mais tarde, ele me disse que agora está fazendo o mesmo com os entrevistadores . (risos)"

Falando em Manson, você acha que os artistas em geral podem ser responsabilizados por glorificar a violência?
"Não, porque para mim a arte tem sempre algo a ver com opostos. Uma canção triste pode fazer alguém sorrir. É como o punk rock, que por volta de 1980 parecia glorificar a violência para algumas pessoas. Punk rock era exatamente o que me pegou de costas em seguida. Eu poderia libertar todos os meus sentimentos ao ouvir esta música. Se eu não tivesse ouvido punk rock eu provavelmente chegaria a um ponto onde eu teria matado pessoas.

Quando uma pessoa mata outra pessoa, é o destino, e não acho que qualquer tipo de música pode fazer uma pessoa fazer isso. Deve haver uma energia maior envolvida, que não pode ser controlada. Considerando que a música pode ter o poder de equilibrar estas energias. Para mim, a música não tem outra finalidade, a não ser para unir as pessoas. E as pessoas, como Eminem... você sabe, quando a filha de Flea era louca por Eminem até uma certa idade, ela disse que ele era um poeta. Eu não me opus quando ela gostava dele, eu mesmo comprei o álbum dele, mas eu estava realmente feliz por ela quando ela descobriu a si mesma. Eu não quero que ela saia com caras como Eminem, eu quero que ela se envolva com um grande cara, charmoso e assim por diante...(risos). Caso Eminem seja cara perfeito pra ela, bem, então eu não sei. (risos)"

Você tem uma opinião a respeito de One Hot Minute?
"Para ser honesto, eu não escutei do começo ao fim. Eu só sei o básico dele."

Dói quando você ouve essas músicas?
"É estranho para mim. É como se você estivesse assistindo a sua ex-namorada fazendo sexo com outro homem. É desagradável porque você sabe que você deveria estar lá. E as coisas que eu ouvi não são realmente as minhas favoritas, soam desequilibradas para mim."




Fonte: Laut - Fevereiro de 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário