17 de julho de 2020

Tudo que sabemos e o que esperar do novo álbum do Red Hot Chili Peppers!



Na tarde de 15 de dezembro de 2019, o Instagram oficial do Red Hot Chili Peppers anunciou a volta de John Frusciante e a saída de Josh Klinghoffer da banda. Por um dia iria completar uma década da publicação do anúncio redigido por Frusciante quando deixou a banda em 16 de dezembro de 2009, apesar dele ter a deixado em meados de 2008. "A natureza se move e as ondas são para surfar", afirmou Flea em uma analogia após o comunicado.

Após a junção da formação clássica, o Red Hot Chili Peppers aguardou alguns acontecimentos e começou trabalhar em um novo álbum. Nessa publicação reuni todas as informações sobre esse novo álbum e após a leitura completa, você poderá ter algumas pistas sobre o que esperar desse trabalho que deve estar pronto até o final do ano.




NOVO ÁLBUM

Chad Smith, em entrevista para a Rolling Stone, em 08 de janeiro de 2020, confirmou que a banda iria começar a trabalhar em breve em um novo álbum com John Frusciante.
"Me foi dada ordens estritas para essa entrevista: 'NÃO FALE SOBRE A BANDA'" ele diz. "Mas sim, John está de volta na banda, e todo mundo sabe disso. Estamos entusiasmados. Os festivais são os únicos shows agendados. Por agora, nós vamos mais nos concentrar em novas músicas e compor um disco novo. Estamos todos realmente excitados em fazer música nova."
No mesmo dia, Smith, em entrevista para Lyndsey Parker da SiriusXM, deu mais informações sobre o novo álbum - sem poder falar muito, o baterista disse que a banda se reunirá após a lua de mel de Flea com a sua esposa Melody Ehsani na Tailândia e que estão muito entusiasmados para o trabalho.
"Sabe, tivemos algumas mudanças e estamos muito felizes sobre isso. Eu escrevi para cada um da banda, estou ansioso em escrever novas músicas, criar um novo álbum, vamos começar a trabalhar nele muito em breve. Flea está na sua Lua de Mel, andando de elefantes na Tailândia, e quando ele voltar vamos começar." 
Já em 16 de janeiro, um fã pode conversar com Smith durante um jogo dos Lakers, o baterista afirmou que até aquele momento a banda não estava trabalhando em novo álbum, mas que Frusciante estava de volta as guitarras e nada de sintetizadores - em referencia a música eletrônica.
"Esbarrei com Chad Smith num bar antes do jogo dos Lakers (o que!?) e perguntei a ele sobre John e as coisas novas. Ele disse que eles não estão em estúdio ainda, mas estão escrevendo um novo material e John está de volta às guitarras, nada de sintetizadores ou outras coisas. Ele mal pode esperar para que todo mundo escute. Eu disse 'Eu sou um grande fã do Frusciante' e ele disse 'sim, eu também!' e me saudou com a sua bebida. Lenda."
- Dale Gardner - Facebook, 16 de janeiro de 2020 
Flea retornou da lua de mel em meados de janeiro, contudo, Smith continuou ocupado com algumas datas da sua exposição A arte de Chad Smith.




O ÁLBUM DESCARTADO QUE PODE TER IDEIAS DE FLEA APROVEITADAS


Em entrevista publicada por Marc Maron, no dia 23 de janeiro, em seu podcast 1091, Josh Klinghoffer confirmou que o álbum que ele estava trabalhando com a banda há um ano e meio seria descartado. Klinghoffer também falou que John Frusciante estava se encontrado com Flea para realizarem improvisos antes do anúncio do retorno a banda.
"No casamento de Flea [em outubro 2019] e ele estava numa situação ótima, confortável, tocando guitarra, acho que fazia tempo que ele não tocava guitarra."

Josh Klinghoffer, em entrevista a Rolling Stone, publicada no último dia de janeiro, afirmou que a reaproximação de Frusciante com a banda começou muito antes do anúncio, o até então ex-guitarrista já havia reunido para jantar com Anthony Kiedis em meados de 2018, ido a uma luta de boxe com Flea no final de julho de 2018, procurado o gerente de turnê e mandando e-mails de desculpas ao "mundo dos Chili Peppers" pelo seu comportamento passado. O guitarrista afirmou que esperava gravar o álbum - que até aquele momento estava em processo de composição - e que ele almejava a energia da turnê The Uplift Mofo Party Plan e duas ou três baladas.
"Nós não estávamos no processo de gravação ainda. Estávamos apenas compondo e começamos no final de 2018 e continuamos em pequenos espaços de tempo. Após um mês, quase perdemos a casa em que estávamos trabalhando e todo o nosso equipamento naquele terrível incêndio, mas felizmente isso foi poupado. Trabalhamos um bom tanto durante todo o ano de 2019, mas houve bastante começa e para."
No dia 04 de fevereiro, em entrevista a Spin, Josh Klinghoffer disse que a banda já estava com 24 músicas completas para gravar e algumas ideias - e que só algumas ideias tidas por Flea poderiam ser aproveitadas no novo trabalho com Frusciante. Klinghoffer afirmou as pré-gravações só viriam a publico se alguém o agredisse e roubasse seu iPod, pois lá que elas estavam.
"Eu acho que tem 24 músicas completas. Tem algumas que tem a batida e o refrão. Nós não terminamos. Tinha pelo menos 10 ideias na lista, se não mais. Tinha um monte de coisa. Começamos em setembro ou outubro de 2018 e escrevemos a maior parte de 2019, com exceção de quando estávamos em turnê e Anthony tirou duas semanas para as férias de verão, e Flea se casou e fez uma turnê do livro. É por isso que estivemos em um hiato de escrita. Definitivamente, eles vão começar do zero com John. A única possibilidade [dessas músicas ressurgirem] é se uma ideia que Flea teve, 100% dele, talvez eles a joguem na mistura e deem nova vida a ela. O que foi mais colaborativo provavelmente vai desaparecer."




O CAMINHO DE JOHN FRUSCIANTE ATÉ O RETORNO AOS RED HOT CHILI PEPPERS

Nesses 10 anos fora da banda, John Frusciante evoluiu muito como músico e abriu a cabeça para muita coisa que antes era inconcebível para ele: gravou pelo computador usando o Renoise, estudou mais afincadamente a música eletrônica, os ritmos e programação, abandonou suas guitarras vintages para criar uma nova abordagem tocando as Yamaha SGs fabricadas na década de 1980, analisou o mercado musical, criou o Trickfinger, produziu um grupo de rap, integrou o Kimono Kult, participou de um álbum do Duran Duran, fez música sem ter um público como alvo e até se aventurou na noise music em "Poem" (10 de julho de 2017) e "A3t1ip" (12 de dezembro de 2018). Deste modo, tudo deve ser somado ao seu retorno a banda, não há como desprezar toda essa evolução e esse caminho, ele é um músico bem diferente do que finalizou a turnê com a banda em 2007.



A COLABORAÇÃO E O ADEUS A DAVE LEE (TÉCNICO DE GUITARRA DE JOHN FRUSCIANTE NA SEGUNDA ESTÁDIA NO RED HOT CHILI PEPPERS)

Em um rápido contato, Dave Lee (técnico de guitarra do Red Hot Chili Peppers de 1995 a 2007) afirmou com exclusividade ao site que passou a tarde do dia 13 de novembro de 2019 com John Frusciante. Lee disse que Frusciante estava "muito bem" e que pediu a ele que verificasse como estavam suas Fender Stratocasters. As guitarras conferidas por Lee foram quatro strats, as mesmas usadas na sua última estadia com o Red Hot Chili Peppers, "duas sunbursts [1962 e 1955], a vermelha [Fiesta Red de 1961] e a branca [Olympic White de 1963]". Saiba mais, clicando aqui.

Após o anúncio do retorno, Dave Lee disse que não seria técnico de guitarra de Frusciante nessa estádia, mas que o ajudaria a montar as coisas. Dave Lee irá continuar sendo técnico de guitarra de Adam Levine no Maroon 5, posto que ocupa desde o começo da década de 2010, quando a Fleabass fechou as portas e os Red Hot Chili Peppers optaram por Josh Klinghoffer não possuir um técnico na gravação de I'm With You. Agora o novo técnico de Frusciante é Henry Trejo Jr, conhecido por trabalhar com Omar Rodriguez-Lopez e fazer alguns shows como técnico de Josh Klinghoffer (vide Rock In Rio 2019) e com Flea no Red Hot Chili Peppers.






A APRESENTAÇÃO DO RETORNO DE JOHN FRUSCIANTE PARA A BANDA

A primeira apresentação do Red Hot Chili Peppers após a volta de John Frusciante iria ocorrer na madrugada de 26 de janeiro de 2020, mas a banda não compareceu. Na ocasião, eles eram convidados para participarem de uma jam na festa pré-Grammy organizada pela banda The Roots, na Live House, em Los Angeles - uma colaboração fora da agenda da banda. Porém, apenas Flea apareceu no evento - como pode ser visto na transmissão ao vivo do The Roots -, nem os Red Hot Chili Peppers e nem o músico John Mayer se apresentaram, nenhuma explicação foi dada.

Com isso, John Frusciante se apresentou pela primeira vez com o Red Hot Chili Peppers após sua volta em um evento em homenagem a Andrew Burkle, em 08 de fevereiro de 2020. A banda tocou "Give It Away" e os covers "I Wanna Be Your Dog" do The Stooges e "Not Great Man" do Gang Of Four. Contudo, Chad Smith não estava presente por ter sua exposição de arte na Flórida, com isso, Stephen Perkins assumiu a bateria.


Além de Frusciante tocar com o Red Hot Chili Peppers, ele subiu ao palco com o Jane's Addiction, ao lado de Dave Navarro, para tocar "Mountain Song", e para tocar "Union Street" com Thelonious Monster junto a Flea e os integrantes do Fishbone, Angelo Moore e Norwood Fisher.




PRIMEIRO SHOW: OS EQUIPAMENTOS USADOS POR JOHN FRUSCIANTE

Conforme já havíamos falado, Frusciante iria voltar a tocar as suas Fender Stratocasters. No evento haviam três das quatro guitarras verificadas por Dave Lee: a Sunburst de 1962, a Sunburst em dois tons de 1955 e a Olympic White de 1963 - essa última usada como a guitarra de aquecimento no backstage.


Para os efeitos, Frusciante trouxe oito pedais - apenas dois iguais aos mais de vinte que ele usou na turnê de Stadium Arcadium -, cabe lembrar que o setlist também só apresentavam três canções. Dos pedais que ele usava antes só o Boss CE-1 Chorus Ensemble e o Electro-Harmonix Holy Grail Reverb estavam presentes. Os demais são um o Xotic XW-1 Limited Edition como wah-wah (substituindo o Ibanez WH-10) e os outros pareciam ser o Boss TU-3 Chromatic Turner, o Boss SD-1 Super Over Drive, o MXR Micro Amp e dois pedais que até o momento não foram identificados, mas um era um fuzz (impressiona a falta do Boss DS-2 Turbo Distortion que era utilizado por Frusciante desde sua entrada no Red Hot Chili Peppers). E para amplificação ele usou um Marshall Silver Jubilee 25/55 com uma única caixa Marshall de 4x12.

Mas isso não quer dizer que o novo álbum terá poucos timbres e efeitos. Desde o começo da década de 2000, Frusciante vem usando sintetizadores modulares para trabalhar o sons de suas guitarras, tendo usado o Doepfer A100 para quase todas as gravações de álbuns solos e com o Red Hot Chili Peppers desde então - exemplo disso é Stadium Arcadium.




A PRIMEIRA MÚSICA GRAVADA POR JOHN FRUSCIANTE E FLEA APÓS MAIS DE 10 ANOS


Andy Gill, membro fundador do Gang of Four, faleceu no dia 01 de fevereiro de 2020. Ele foi o produtor do álbum de estreia do Red Hot Chili Peppers, The Red Hot Chili Peppers, lançado em 1984. Em uma publicação no Instagram no mesmo dia, Flea lamentou a morte do amigo e revelou que havia gravado com John Frusciante e o coral de jovens do Conservatório Silverlake uma faixa para o álbum tributo do Gang Of Four que Gill estava montando - eles enviaram a gravação para ele pouco antes da sua morte, no dia 27 de janeiro.
"Depois de anos sem nos falarmos, Andy e eu conversamos recentemente, e nos comunicamos bastante nos últimos meses sobre um álbum de tributo ao Gang Of Four que ele estava montando. Eu, John Frusciante e o coral de jovens do Conservatório de Música Silverlake acabamos de gravar uma faixa para isso e mandamos para Andy na segunda-feira."
Até o momento não existe informações sobre o lançamento desse álbum tributo com a primeira gravação de música por John Frusciante e Flea após mais de dez anos desde a última colaboração entre os dois ser lançada - o baixista tocou em "Unreachable", "God", "Heaven", "Enough Of Me", "Today", e "Ah Yom" do álbum The Empyrean, lançado por Frusciante em janeiro de 2009.




A  COMPOSIÇÃO DO NOVO ÁLBUM

No 27 de fevereiro de 2020, Chad Smith confirmou a ao The San Diego Union-Tribune que a banda estava junta "tocando e tendo ideias" para um novo álbum.
"Nós não estamos gravando; nós estamos apenas compondo. Nós temos alguns shows nos meses de maio e junho, aqui e no exterior. John voltou para nossa banda a cerca de um mês atrás, então estamos apenas tocando umas jams e vindo com algumas ideias."
No Daytime do Channel 8, em entrevista publicada no mesmo dia da citada acima, Smith disse que a banda estava reunida há algumas semanas para compor o novo álbum.
"Você sabe, Frusciante voltou à nossa banda, nós estávamos tocando por algumas semanas, e sim, nós temos algo especial, é legal. [...] ele quer estar em uma banda de novo. Ele fez as coisas que ele queria fazer. Ele é aquela pessoa que quando coloca na cabeça que quer fazer alguma coisa, numa forma muito específica, [faz] e então, ele estava 'quero tocar guitarra, estar numa banda e essa é a única banda que eu quero estar - essa é a banda que eu amo e eu devo estar nessa banda', e então nós tivemos algumas longas conversas sobre as coisas e sim - ele está num bom lugar -, e então nós pensamos: 'é... vamos fazer isso'."
Ao The Florida Times-Union no dia 13 de março, Chad Smith deu mais informações sobre o novo álbum do Red Hot Chili Peppers. Smith estava a caminho de um ensaio com a banda durante um dia "ensolarado e bonito" quando concedeu a entrevista por ligação para falar da sua exposição de arte que está acontecendo em Jacksonville e foi perguntado sobre como iam as coisas com os Chili Peppers.
“Ainda é cedo pra dizer como será este álbum. Acabamos de começar. [...] Estamos vendo como todos estão vibrando, indo com calma. Estamos familiarizados com John, mas já faz dez anos. Isso tem sido muito fácil, muito tranquilo.”
No dia 22 de março foi ao ar no The Trap Set com Koe Wong uma entrevista com Flea sobre o Acid For The Children, o bate-papo ocorreu por meio de uma ligação devido a pandemia de COVID-19 e foi gravada para o 245° podcast do programa. Como esperado, Koe perguntou ao baixista sobre o momento atual do Red Hot Chili Peppers com a volta de John Frusciante e o novo álbum.
"Estamos escrevendo, juntos, numa sala e tocamos. Chegamos com ideias, nos conectamos e tocamos. Eu fico hesitante em falar sobre isso, estou muito grato de tocar com John, Anthony e Chad. É bonito."




 A MAGIA DO QUARTETO
(A IMPOSSIBILIDADE DE DOIS GUITARRISTAS EM ESTÚDIO)

Logo no anúncio da volta de John Frusciante e o desligamento de Josh Klinghoffer do Red Hot Chili Peppers, muitas pessoas indagaram o motivo da banda não manter os dois guitarristas como no final da turnê de Stadium Arcadium. Em março, após três meses do anúncio, a banda parece ter mostrado conhecimento sobre a questão e Klinghoffer até chegou a responder sobre isso em entrevista a  SiriusXM.


Depois de um fã escrever no Twitter, “Queremos Frusciante E Klinghoffer na banda!!!”, Flea curtiu a resposta de outro fã ao pedido:
“Parece um grande erro delegar a Mr. Klinghoffer a guitarra rítmica com Fru[sciante] na banda. Algo pequeno para os dois e suas habilidades. Além disso, ele tem coisas que gostaria de explorar com sua banda. Claro que é apenas minha humilde opinião”.
Já Josh Klinghoffer preferiu falar sobre a coesão do quarteto - apesar de achar que havia a possibilidade de sair algumas coisas boas com a possível formação:
“Eu ia fazer alguma piada sobre meias sempre virem em pares. Eu diria que é uma questão para aqueles caras. Considerando que eu não imaginava que isso aconteceria e não pude votar, obviamente isso é para eles. Eu acho que a banda, não dizendo que não faríamos boas coisas nessa situação, mas eu acho que a banda sempre teve uma boa divisão na instrumentação. É muito balanceado, e eu ficaria muito nervoso se esse não fosse o caso.” 



 A PANDEMIA E A PAUSA NOS TRABALHOS PARA O NOVO ÁLBUM

Na tarde de 13 de abril, Flea participou de uma live pelo Instagram com o grupo Ghetto Gastro. O baixista foi entrevistado pela dupla responsável pela Ghetto Gastro e pelas pessoas que estavam assistindo - com a ajuda de sua esposa Melody Ehsani -, enquanto preparava uma receita de sopa de feijão de corda e andava por sua enorme residência para colher verduras. Flea se mostrou hesitante ao falar sobre o Red Hot Chili Peppers e o retorno de John Frusciante, porém, confirmou que a banda está em recesso nas atividades de composição do novo álbum devido a pandemia do novo coronavírus.
"Sim, nós estamos super ansiosos, também. Eu estou um pouco hesitante de entrar em assuntos da banda porque nós estávamos num processo criativo de fazer um álbum e mesmo que agora estamos em pausa por causa do coronavírus, nós estávamos tocando todos os dias, juntos... Mas eu sempre sinto que, quando falo sobre a banda, existem momentos certos para isso."
 Entre março e julho, todos os shows da banda para 2020 foram cancelados ou remarcados para 2021 devido a pandemia de Covid-19.

"Queridos ao redor do mundo: NÓS AMAMOS VOCÊS. ESTAMOS PENSANDO EM VOCÊS. NÓS SENTIMOS FALTA DE VOCÊS. NÓS SENTIMOS FALTA DE TOCAR MÚSICAS PARA VOCÊS. FIQUEM FORTES. FIQUEM SEGUROS. VAMOS DANÇAR E CANTAR JUNTOS EM BREVE. NÓS SOMOS TODOS UM. NÓS ESTAMOS NESSA JUNTOS. NÓS ESTAMOS COM VOCÊS ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️"
- Red Hot Chili Peppers - 08 de abril de 2020

Para mais informações sobre o COVID-19, acesse o site do Ministério da Saúde: https://coronavirus.saude.gov.br/




O RETORNO DO QUARTETO AO TRABALHO DO NOVO ÁLBUM

No dia 12 de julho de 2020, Flea participou de uma entrevista remota no Late Night Happy Hour with the Kamenetzky Brothers na ESPN LA 710. O vídeo da conversa de 70 minutos foi publicado no Youtube e nele o baixista falou sobre temas recorrentes da sociedade contemporânea, a vida de rockstar, a paixão pelos Lakers e, é claro, sobre o Red Hot Chili Peppers - confirmando que o quarteto voltou a trabalhar junto no novo álbum após realizarem testes para coronavírus.
"Minha banda está indo muito bem. Quando o COVID apareceu, estávamos escrevendo um novo álbum e paramos por um tempo por causa da quarentena, e houve aquele pânico, sabe? E conforme o tempo foi passando, pensamos "ok, está tudo bem, só nós quatro numa sala, sem equipe, seremos cuidadosos, vamos fazer os testes" e tudo isso. E tem sido ótimo. E talvez de uma boa maneira... nós estaríamos fazendo um monte de shows nesse verão, uma turnê na Europa e... sim, eu gostaria de sair e ganhar dinheiro, de arrasar nos shows, mas ao invés, estamos sentados em casa, compondo, montando canções, e isso é bom. E não sei, as coisas estão funcionando, e de várias maneiras é como se estivéssemos numa tempestade perfeita. Eu escuto as pessoas dizendo "cancelem 2020", "2020 é o pior ano de todos os tempos"... e sim, há muita tristeza e tragédia. Morte, injustiça, assassinato, e coisas terríveis. Mas também, mudanças estão acontecendo, e isso é uma coisa boa."



JOHN FRUSCIANTE INTEIRAMENTE FOCADO NO NOVO ÁLBUM DO RED HOT CHILI PEPPERS

Em 12 de junho de 2020 foi anunciado que John Frusciante teria seu próprio programa mensal de música não-eletrônica na rádio dublab, em informação passada por Aura T-09 (Marcia Pinna). Contudo, dez dias depois, a companheira de Frusciante trouxe a notícia que John Fruscianteo músico havia cancelado o projeto - antes mesmo da estreia - em prol de dedicar-se exclusivamente ao "trabalho em andamento com o Red Hot Chili Peppers".
"Ele tem muito trabalho em andamento no Chili Peppers e decidiu que quer dedicar apenas seu tempo e energia a isso. Ele pode fazer um programa de vez em quando, mas, por enquanto, todos os programas programados para John todos os quatro sábados do mês são cancelados."



JOHN FRUSCIANTE FALA SOBRE O NOVO ÁLBUM DO RED HOT CHILI PEPPERS PRONTO ATÉ O FINAL DE 2020


John Frusciante concedeu uma entrevista à Ele-king do Japão, publicada no dia 26 de junho de 2020, para falar sobre seus novos álbuns eletrônicos na carreira solo e, pela primeira vez, sobre seu retorno ao Red Hot Chili Peppers. No entrevista, Frusciante disse que está animado a voltar a banda e fazer música que é amada por muitas pessoas, que o objetivo da banda é trabalhar e finalizar o novo álbum até o final desse ano e que continuará a fazer música eletrônica.
"Voltei para a banda porque sabia que poderia continuar fazendo música eletrônica e tenho espaço para continuar. Eu estava planejando fazer um show ao vivo no verão, mas tudo foi adiado para o próximo ano. Portanto, espero que as atividades ao vivo do Red Hot Chili Peppers sejam realizadas no próximo verão. Estou trabalhando em uma música agora. O objetivo é entrar no estúdio e trabalhar em um álbum até o final do ano, ou terminar o álbum. É a composição começou assim que eu voltei, para que novas músicas pudessem ser lançadas. Faço música eletrônica desde que voltei ao Japão como membro da banda em 1998, então estou feliz por ter tempo. Como músico de rock e como músico eletrônico, quero me expressar de duas maneiras e ser livre."
"Ao mesmo tempo, estou gostando da diversão de voltar ao Red Hot Chili Peppers e fazer músicas amadas por muitas pessoas. [...] A grande diferença entre a música que fazemos no Red Hot Chili Peppers e meu projeto solo é a parte da engenharia. Sou engenheiro há 13 anos, por isso não estou particularmente interessado em gravar uma guitarra ou fazer qualquer coisa. Eu tenho usado os sintetizadores que o Red Hot Chili Peppers usou no final dos anos 90 e 2000."



MÚSICA ELETRÔNICA

NO NOVO ÁLBUM A MISTURA ENTRE O ROCK E A MÚSICA ELETRÔNICA NÃO IRÁ ACONTECER COMO EM PBX E EM ENCLOSURE

Na mesma entrevista, Frusciante afirmou que não deve mais misturar o rock com a música eletrônica, como em PBX Funicular Intaglio Zone (2012) e Enclosure (2014), pois "as pessoas que amam música eletrônica dizem que é muito pop, e as pessoas que gostam de rock dizem que é música eletrônica demais".
"Não sei quantas pessoas sabem, mas o álbum Enclosure que eu coloquei em meu nome, é uma fusão de vocais, guitarra e música eletrônica. É por isso que sou músico eletrônico, compositor, guitarrista e cantor. Eu amo álbuns assim, mas as pessoas que amam música eletrônica dizem que é muito pop, e as pessoas que gostam de rock dizem que é música eletrônica demais. Naquela época, eu queria criar algo que me desafiasse, independentemente do que as pessoas pensassem da minha música. Meu conceito era escrever uma boa música e destruí-la. Eu estava tocando o acorde, torcendo-o e fazendo uma melodia vocal semelhante, mesmo que não se encaixasse. Gostei da parte em que centenas de pessoas podem gostar, mesmo que não seja algo que todos aceitassem. Mesmo se você criar algo estranho, as pessoas vão gostar. [...] Portanto, acho que não vou fazer um álbum como fiz com o Enclosure ou PDX."



MAS A CONCEPÇÃO DE FRUSCIANTE SOBRE MÚSICA MUDOU E ELEMENTOS DA MÚSICA ELETRÔNICA PODEM ESTAR PRESENTES NO NOVO ÁLBUM

Na entrevista, Frusciante também falou sobre a interação da música eletrônica na sua concepção de música, entendendo melhor o que acontece como um todo.
"E mantenho uma atitude de “aprendizado” não apenas para a música eletrônica, mas para a música em geral. Embora tenha feito música com o Red Hot Chili Peppers, toco guitarra enquanto ouço os discos e CDs que gosto. Memorizo o que outros músicos fizeram nos anos 60 e 70. Ao fazer isso, você pode escrever uma música e descobrir qual estilo de música deseja criar. Então, para mim, saber o que os outros fizeram no passado pode me ajudar a crescer, e fazer música e aprender é a mesma coisa.

Então com a música eletrônica é a igual, eu aprendi muito com Venetian Snares e fiz muitas músicas que não lancei nos últimos 12 anos. Eu tinha muito a aprender trabalhando com ele. Nós fizemos muitas músicas, gravamos em estéreo direto da execução, usamos muitos equipamentos ao mesmo tempo e mixamos. Eu aprendi muito dessa maneira. Além disso, sempre presto atenção à história da música eletrônica, porque é a música que mais me interessa, e posso descobrir como fazê-lo ouvindo os trabalhos de outras pessoas. Eu acho que a música começa com imitação. Penso que, seguindo o que outra pessoa fez, posso chegar mais longe.

Tem uma personalidade muito boa, é apreciada por pessoas e, quando você toca um instrumento, pode expressar sua humanidade. Todo mundo é atraído por esse tipo de pessoa. Eu não sou desse tipo. Eu realmente tenho que me esforçar bastante e preciso ativar as partes criativas da minha cabeça, ter flexibilidade e girar a cabeça rapidamente. Eu sempre tenho que me inspirar em alguma coisa. Quando eu era adolescente, um dos meus amigos era um tipo de pessoa que podia fazer grandes coisas imediatamente sem praticar. Tão cedo eu percebi que, para fazer música que as pessoas gostassem, eu tive que me esforçar muito. Quer as pessoas gostem ou não, eu apenas tenho que trabalhar duro." 
"Quando Aaron Funk e eu fazemos música, eu geralmente sou responsável pela bateria e pela melodia, ele é responsável pela bateria, e às vezes eu toco baixo. Às vezes, eu faço uma melodia que soa como uma bateria, ou ele faz uma melodia com uma pequena bateria eletrônica. Mas para mim ele é um dos melhores bateristas do mundo, então eu até pensei em uma melodia para apoiar sua bateria. Pode-se dizer que teve uma grande influência. Eu nunca tive esse tipo de interação com ninguém. Quando estou no Red Hot Chili Peppers, a bateria é feita de acordo com a melodia, a guitarra e o baixo. Então, há um baterista que assume a liderança, e eu sou uma melodia, mas apoiar essa bateria mudou a maneira como percebo os elementos da melodia. Como eu me concentro nos sons ao produzir melodias e fazer melodias no meu equipamento, acho que a melodia é mais sobre o som que existe para aquele som. Então, passo muito tempo fazendo sons com equipamentos digitais. Encontro o que corresponde ao som. Não por causa de C ou D ou por E. Se você emitir um bom som e não encontrar o que estava lá, você o estragará. Não é como tocar guitarra." 
O uso de samples deve estar presentes no novo álbum da banda, como em The Getaway ou em "The Zephyr Song".
"Originalmente, eu era fã de soul e funk antigos nos anos 60 e 70 e era um grande fã de samples, mas tenho estudado mais e tocado guitarra com ritmo e bom gosto. Então, minha guitarra tocando no Red Hot Chili Peppers tem uma grande influência deles, e acho que praticar guitarra também produziu melhorias na música eletrônica. Eu não tenho escrito músicas na guitarra nos últimos anos, então apenas pratiquei. Mas acho que também teve um efeito positivo na música eletrônica." 



FÉRIAS DE VERÃO

Quando é possível, a banda sempre tirá duas semanas de férias durante o verão do hemisfério norte e certamente esse ano não foi diferente. Isso porque Anthony Kiedis estava em Michigan junto a família no dia 10 de julho de 2020 e foi relatado por sua mãe que ele estava lá para visitar seu pai tomando todas as precauções possíveis em uma casa de repouso na última semana.

A propósito, em uma publicação do Facebook, a mãe de Kiedis disse a mãe de John Frusciante que seu filho está "amando fazer música com Frusciante novamente". A mãe de Frusciante respondeu que isso "tocava seu coração".





Pesquisa e texto: Raphael Romanelli
Tradução de citações: Ana Paula Mancini, Bruno Portugal, Eloá Otrenti, Felipe Freitas e João Victor Sangalli
www.jfeffects.com.br


2 comentários:

  1. Amei o texto. Cada vez mais ansioso para ouvir e ver esse quarteto reunido novamente, apesar dos pesares de 2020. Só duas coisinhas que não fizeram sentido: se Andy Gil morreu em 1 de Fevereiro, não tem como eles terem enviado a música dia 27 do mesmo mês, "pouco antes da sua morte", como diz no texto. Segundo, o The Empyrean é de 2009, não de 2020. De resto, novamente, estão de parabéns pelo conteúdo incrível de sempre.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...