30 de maio de 2019

A guitarra dos sonhos de Frusciante - Abril de 2009


"Eu adoraria ter uma Les Paul de '59. Por anos, eu sempre quis ter uma mas elas continuavam subindo de preço. Eu realmente acho que existe uma guerra entre pessoas que pensam artisticamente e pessoas que pensam em negócios. Mesmo assim, eu acho que o mundo adoraria que as pessoas que pensam artisticamente começassem a pensar mais com uma mentalidade de negócios. Apenas por uma questão de princípio, você não compra uma guitarra só porque é um bom investimento. Então você passa a pensar em algo com que você deveria fazer música e ser criativo como um algo que tem um certo valor monetário ou benefício econômico. Eu não acho que isso seja uma boa maneira de se pensar num instrumento, e é a mesma coisa com muitas outras coisas. Eu gosto de pinturas, mas eu não quero comprar pinturas só porque eu as considero como algo que eu possa vender um dia. Eu quero olhar pra elas e pensar nelas como algo que me faça feliz. Eu prefiro olhar as pinturas que minha afilhada me fez ao invés de olhar algo e pensar, "eu posso vender isso um dia".

Me ofereceram Les Pauls de 59, e eu adoraria tocar uma. Mas elas são muito caras pra se considerar. Eu acho que é importante, como artista, a nunca pensar que qualquer coisa relacionada à música é julgada pelo seu preço. O que você pode fazer com aquilo é bem mais importante do que o custo. Se colecionadores que não tocam guitarras não as comprassem, o valor delas seriam baseados no que os guitarristas achassem que valesse. Mas quando as pessoas que realmente as usariam não tem essa chance, é uma pena."

Fonte: Vintage Guitar - Abril de 2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário